Porto Alegre, sexta-feira, 31 de outubro de 2014. Atualizado às 08h59.
Hoje é Dia das Bruxas.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
27°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 2,4070 2,4090 0,04%
Turismo/SP 2,2800 2,6200 1,13%
Paralelo/SP 2,2900 2,6300 1,12%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  |  ATENDIMENTO ONLINE
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
210366
Repita o código
neste campo
 
 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 19/10/2009

A sucessão

O PMDB vai ter candidato próprio ao Piratini. Só não sabe quem é. Dois nomes estão sendo discutidos: o do ex-governador Germano Rigotto e o do atual prefeito de Porto Alegre, José Fogaça. O partido precisa definir o nome do escolhido nos próximos dois meses, sob pena de perder tempo, já que o PT e o PSDB já têm candidatos: Tarso Genro e Yeda Crusius. O ex-governador Germano Rigotto, não tem nada contra a concorrer ao governo do Estado. José Fogaça, no entanto, costuma afirmar que não se faz um governo desmanchando outro, numa alusão clara de que se concorrer ao Piratini, terminará prematuramente o seu mandato na prefeitura da Capital. Ainda assim, não existe convicção na comunidade política de que Rigotto vá ao Piratini e que Fogaça fique no Paço dos Açorianos. Outro dia, Fogaça confessou que o seu sonho maior é ser governador do Estado. No entanto, ele não acha que seja agora a sua vez, preferindo terminar o seu mandato na prefeitura. A cúpula do partido no Estado está dividida. Uns querem que Germano Rigotto concorra à sucessão de Yeda Crusius. Outros preferem Fogaça como candidato. Os dois personagens têm conversado. Fogaça prefere Rigotto como candidato. Rigotto considera Fogaça um grande candidato. Em meio a tudo isso, está o eleitor, completamente indeciso em relação às próximas eleições.

Violência e drogas

Grande decisão essa de reunir as Secretarias de Segurança, Educação, polícias militar e civil e 27 diretoras de escolas estaduais localizadas nos bairros mais críticos da Capital para discutirem estratégias de combate ao tráfico de drogas e à criminalidade próxima às escolas. A intenção é de aumentar o policiamento, analisar as ocorrências dentro e fora das escolas e criar uma agenda de trabalho entre as polícias militar, civil e as secretarias da Educação e da Segurança Pública para combater o tráfico de drogas e a violência nas proximidades das escolas estaduais de Porto Alegre.

Impeachment

Amanhã, a Assembleia vai votar o parecer da Comissão Especial que trata da denúncia por crime de responsabilidade contra a governadora Yeda Crusius. O plenário é soberano na decisão e o resultado da votação arquivará ou dará prosseguimento ao processo de impedimento da governadora.

Operação Solidária

Esta semana os debates na Comissão da Corrupção, da Assembleia Legislativa, serão travados em torno da liberação de documentos pelo Tribunal Regional Eleitoral, sobre a  Operação Solidária. Enquanto os integrantes da CPI que pertencem aos partidos que formam a base de apoio do governo tentarem  bloquear os efeitos da divulgação dos documentos, a oposição vai lutar para conseguir derrubar a proibição de torná-los públicos. Continua a novela Governo x Oposição. Tudo pode acontecer, inclusive nada.

Novo PSDB

O deputado federal Claudio Diaz é desde ontem presidente do diretório regional gaúcho. O vice-presidente é o deputado federal Ruy Pauletti. Diaz e Pauletti terão a difícil tarefa de administrar o partido no período eleitoral. A cúpula nacional quer um palanque forte no Estado para alavancar a candidatura de seu candidato à presidência da República: o governador José Serra, de São Paulo ou o governador de Minas Gerais, Aécio Neves. O que se comenta no Centro do País é que a cúpula nacional do partido, em busca de uma grande votação para seu candidato ao Palácio do Planalto, pode até sacrificar a tentativa de reeleição de Yeda Crusius.

O filho do Brasil

A primeira exibição pública de Lula, o filho do Brasil, de Fábio Barreto, será dia 14 de novembro, no Teatro Guararapes, no Recife. O presidente será o convidado de honra e todo elenco estará lá.Três dias depois de estrear, 17 de novembro - o filme abre o Festival de Brasília. O produtor Luis Carlos Barreto quer manter à distância quem quer faturar, politicamente, em cima do filme.

Discriminação

Dilma Rousseff ao discursar no Nordeste: “O Lula vive me dizendo que metalúrgico não vota em metalúrgico, corintiano não vota em corintiano, mulher não vota em mulher e preto não vota em preto”.

COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Perda de um amigo e jornalista exemplar PTB versus PSB
O governador Tarso Genro (PT) teve baixas ao longo do seu governo. Dois partidos que integraram sua base aliada deixaram de apoiá-lo: PSB e PDT
O recado do “guardião”
Após longo impasse, comissões aprovaram relatório do senador Luiz Henrique sobre o projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União
Cristãos novos do PDT
Depois de 20 anos, o PDT volta a ter reais chances de vencer uma disputa majoritária estadual

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto