Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Alterada em 17/05 às 13h06min

Discutir aliança com MDB neste momento seria 'indelicadeza', diz Alckmin

O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência, reiterou nesta quinta-feira (17), que uma aliança com o MDB do presidente Michel Temer não está em discussão neste momento e minimizou o resultado da última pesquisa CNT/MDA, que registrou uma queda de sua intenções de voto e aumento de sua rejeição.
Discutir aliança com um partido que tem candidato "seria até indelicadeza", disse o tucano, que apresentou nesta quinta mais três nomes para a equipe que vai formular seu plano econômico: Edmar Bacha, que integrou a equipe do Plano Real, Jose Roberto e Alexandre Mendonça de Barros. Eles se juntarão a Persio Arida, coordenador da parte econômica da campanha.
Sobre a pesquisa, Alckmin avaliou que ela "mexe com as pessoas", mas ponderou que os números só vão mudar quando o período eleitoral começar de fato. "Só vai ter mudança quando começar a televisão e rádio", repetiu. No ultimo levantamento da CNT/MDA, ele teve 5,3% das intenções.
O ex-governador negou ainda que as pesquisas alimentem dúvidas dentro do seu próprio partido sobre a viabilidade de sua candidatura. Para isso, ele usou como exemplo a campanha de Mario Covas para o governo do Estado em 1998. "Covas passou Maluf apenas na ultima semana antes do segundo turno", lembrou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia