Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 16/05 às 13h58min

Delator vai denunciar pacto político entre Nuzman e Cabral

Acordo entre ex-governador (e) e ex-presidente do COB envolveria plano de alçar Cabral à presidência

Acordo entre ex-governador (e) e ex-presidente do COB envolveria plano de alçar Cabral à presidência


DOMINIC FAVRE/AFP/ARQUIVO/JC
Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do COB e do Comitê Organizador dos Jogos do Rio-2016, teria fechado um acordo com o ex-governador do Rio Sérgio Cabral para levar os megaeventos esportivos no País ao Rio como um trampolim para ajudar o político carioca em sua ambição de ser presidente da República.
A denúncia será apresentada pelo principal delator nas investigações sobre a suspeita de compra de votos pelo Rio para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, Eric Maleson. Vivendo nos Estados Unidos em um endereço não revelado, ele participará de uma audiência nesta quarta-feira (17) diante do juiz federal Marcelo Bretas, por meio do Skype, software que permite comunicação pela Internet através de conexões de voz e vídeo.
O relato de Maleson estará baseado em anos de seu envolvimento direto no COB. Segundo ele, antes mesmo dos Jogos Pan-Americanos de 2007, ele foi informado pela direção do COB da existência de um pacto entre Nuzman e Cabral. Os eventos olímpicos seriam levados para o Rio, derrotando pretensões de outras cidades brasileiras. Isso, segundo ele, fazia parte de uma estratégia de usar o COB para garantir uma maior presença de Cabral na imprensa e ajudar a "fazer sua imagem" como um líder nacional.
Ao escolher o Rio como candidato brasileiro para sediar a Olimpíada, o COB ainda estaria violando uma posição que deveria adotar de neutralidade em relação às demais cidades brasileiras.
Segundo Maleson, o esquema montado entre o COB e o governo de Cabral não se limitava a questões financeiras e compra de votos, como já foi denunciado. "O COB e os eventos realizados no Brasil com recursos públicos eram dirigidos a promover um certo candidato", revelou Maleson, que foi um dos cartolas olímpicos do País e presidiu a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo. "Eu tinha três opções: ficar e ser conivente, sair em silêncio ou denunciar. E é isso que eu optei em fazer", explicou o brasileiro.
Foi a partir da delação de Maleson que o esquema de votos para a candidatura do Rio aos Jogos de 2016 foi revelado. O ex-presidente da Confederação Brasileira de Desportos no Gelo já indicou que seus alertas lançados até mesmo ao COI não tinham surtido qualquer impacto. Sem uma reação satisfatória, a testemunha teria optado por prestar depoimento de forma voluntária ao Ministério Público da França, antes mesmo do início dos Jogos de 2016 no Brasil.
Em colaboração com o Ministério Público brasileiro, os franceses lançaram uma ampla operação sobre a compra de votos pelo Rio e sobre o papel de Nuzman como intermediário. O cartola acabou sendo afastado pelo COI e o COB foi suspenso de toda relação com o movimento olímpico.
Maleson foi o único membro do COB a votar contra a reeleição do Nuzman em 2012. "Como membro do COB e ex-atleta olímpico, jamais poderia ser conivente com tudo que já foi revelado nas investigações pelas autoridades brasileiras e francesas", disse.
Tanto o Rio-2016 como o COB negam qualquer tipo de irregularidade no processo de escolha da cidade carioca como sede dos Jogos Olímpicos. Mas Maleson insiste que, diante das provas que estão sendo coletadas, "dificilmente haverá como negar a existência do esquema".
Maleson denunciou especificamente a compra de votos africanos, a partir de uma intermediação que também envolveu Lamine Diack, o ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia