Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Ásia

Notícia da edição impressa de 16/05/2018. Alterada em 16/05 às 00h17min

Coreia do Norte suspende acordo com Sul e ameaça encontro com Trump

A Coreia do Norte suspendeu ontem as negociações com a Coreia do Sul. O motivo seriam eventuais exercícios militares entre sul-coreanos e norte-americanos. Paralelamente, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, informou que pode cancelar a reunião de cúpula com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, marcada para o dia 12, em Cingapura. A informação foi divulgada pela agência de notícias norte-coreana KCNA.
Segundo a agência, as ações militares têm efeitos de provocações. "É um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra o desenvolvimento político positivo na península coreana", diz a nota da agência oficial. Mais cedo, a Coreia do Sul anunciou um acordo com o Norte para manter conversações de alto nível sobre medidas para promover a desnuclearização na Península Coreana, a aproximação de famílias separadas durante a guerra entre os dois países e acordos em várias áreas.
Kim Jong-un se reuniu com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em uma cúpula no mês passado, quando divulgaram um acordo para que o norte-coreano abra mão do programa nuclear. Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, disse que os preparativos para o encontro com Kim estão mantidos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia