Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

Notícia da edição impressa de 08/05/2018. Alterada em 07/05 às 22h01min

MPF pede suspensão da tarifa da Trensurb

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF-RS) apresentou parecer na ação que pede a suspensão do aumento da tarifa do Trensurb. A passagem, que estava sem reajuste há 10 anos, passou, em fevereiro, de R$ 1,70 para R$ 3,30.
No parecer, o MPF pede que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) seja intimada a explicar seu interesse de intervir no feito e, caso não deseje atuar como interveniente, esclareça se o aumento ocorreu de acordo com as metodologias adotadas para definição do mesmo tipo de tarifa e se o resultado do cálculo da Trensurb é semelhante ao resultado que chegaria a ANTT caso tivesse atuado na definição dos valores tarifários.
O MPF juntou ao processo cópia do inquérito que havia instaurado para apurar os motivos que levaram ao aumento da tarifa dos trens operados pela empresa. Segundo os autores da ação, o aumento para R$ 3,30 seria abusivo por ter sido feito em percentual muito elevado, realizado sem a devida transparência e por determinação da Trensurb e da União, sem que tivessem competência para tanto.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Celso Pereira dos Santos 08/05/2018 08h42min
Façam uma auditoria externa: 1- Organograma inchado; 2- Valores altíssimos de função gratificada; 3- Número de funções gratificadas altíssima e desnecessária; 4- Incorporação de funções gratificadas aos salários de ex-gestores de forma ilegal; 5- Descontrole na administração das terceirizadas. 6- Custo do aeromóvel funcionar de R$ 400 mil, mensal; 7- Número altíssimo de horas extras excessivas; 8- Administração incompetente e corporativista; 9- O prejuízo dos trens novos;