Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

Alterada em 17/05 às 15h58min

FGC começa a pagar clientes por liquidição do Banco Neon a partir de sexta-feira

O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) vai começar a pagar os clientes do Banco Neon, que está em liquidação extrajudicial, com créditos no valor de até R$ 250 mil a partir desta sexta-feira (18). O prazo, conforme nota da instituição à imprensa, vai até 17 de setembro. Encerrado esse período, os credores remanescentes deverão solicitar o pagamento diretamente ao Banco Neon.
Segundo o comunicado do FGC, os clientes que possuem relacionamento com a Neon Pagamentos e aplicações em Certificados de Depósito Bancário (CDBs) do banco deverão acessar o aplicativo da Neon Pagamentos a partir de sexta e seguir as instruções para que seja efetuado o pagamento da garantia. As informações no aplicativo estarão disponíveis até 18 de junho.
Para os demais clientes, o pagamento da garantia será feito por intermédio das agências do Bradesco, no município constante no cadastro do credor. Na hipótese de o município não ter uma unidade do banco Bradesco, o pagamento será efetivado na agência do município mais próximo.
A liquidação extrajudicial do Banco Neon ocorreu por conta de irregularidades encontradas pelo BC, tais como deficiência patrimonial e não observância das regras de lavagem de dinheiro. No entanto, conforme o regulador, a Neon Pagamentos, que emprestava o seu nome para o banco, não foi atingida e, com isso, poderá continuar a operar normalmente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia