Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 16/05 às 19h14min

Manutenção da Selic reflete mudança no balanço de riscos para inflação, diz BC

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em manter a Selic (a taxa básica de juros) em 6,50% ao ano - interrompendo o ciclo de 12 cortes consecutivos - refletiu a mudança recente no balanço de riscos para a inflação prospectiva, de acordo com comunicado divulgado nesta quarta-feira (16), pela instituição. Os membros do colegiado avaliaram que manter a taxa no patamar atual é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui os anos de 2018 e 2019.
O BC foi enfático ao destacar que o cenário externo tornou-se mais desafiador e apresentou volatilidade. "A evolução dos riscos, em grande parte associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas, produziu ajustes nos mercados financeiros internacionais. Como resultado, houve redução do apetite ao risco em relação a economias emergentes", justificou a autoridade monetária.
Por isso, o Copom decidiu manter a taxa de juros em 6,50%, a despeito de notar que os últimos indicadores de atividade econômica mostram arrefecimento, em um contexto de recuperação consistente, mas gradual, da economia. "O Comitê julga que o comportamento da inflação permanece favorável, com diversas medidas de inflação subjacente em níveis ainda baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária", acrescentou o BC.
O Copom repetiu que os fatores de risco para a inflação consideram, de um lado, a propagação do nível baixo de inflação, e de outro, a frustração das expectativas sobre a continuidade de reformas. Mas o colegiado destacou, desta vez, que o risco de "continuidade" da reversão do cenário externo para as economias emergentes se intensificou desde a última reunião, em março.
"Choques externos devem ser combatidos apenas no impacto secundário que poderão ter na inflação prospectiva. Esses choques, entretanto, podem alterar o balanço de riscos ao reduzir as chances de a inflação ficar abaixo da meta no horizonte relevante, por meio de seus possíveis efeitos secundários", concluiu o BC.
Por fim, o Copom mais uma vez considerou que a conjuntura econômica prescreve uma política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. O BC repetiu ainda que o processo de reformas na economia contribui para a queda dessa taxa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia