Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Alterada em 16/05 às 15h58min

Zuckerberg aceita convite para depor ao Parlamento Europeu

No início de abril, fundador e CEO do Facebook foi interrogado no Congresso americano

No início de abril, fundador e CEO do Facebook foi interrogado no Congresso americano


ALEX WONG/AFP/ARQUIVO/JC
Folhapress
O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, aceitou depor ao Parlamento Europeu sobre a privacidade de usuários da rede social, na esteira do escândalo com a consultoria Cambridge Analytica. Ainda sem data marcada, o depoimento deve ocorrer até o fim da próxima semana, segundo afirmou, em nota, o presidente da Casa, Antonio Tajani, nesta quarta-feira (16).
O presidente do Parlamento Europeu adiantou que o executivo americano vai se reunir com líderes de partidos e deputados da comissão responsável por temas relacionados a liberdades civis. "Nossos cidadãos merecem uma completa e detalhada explicação. Eu agradeço a decisão de Zuckerberg de aparecer pessoalmente diante dos representantes de 500 milhões de europeus. É um passo na direção certa para recuperar a confiança", afirmou Tajani no comunicado.
No início de abril, Zuckerberg foi convocado para cerimônias semelhantes na Câmara e no Senado dos Estados Unidos.
A pressão política sobre o Facebook se intensificou em março, após os jornais The New York Times e The Observer revelarem que 87 milhões de usuários tiveram dados violados por meio de um aplicativo usado pela consultoria Cambridge Analytica para formatar campanhas políticas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia