Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/05 às 09h12min

Petróleo cai com perspectiva de demanda mais fraca e avanço nos estoques dos EUA

Os futuros de petróleo operam em baixa nesta manhã de quarta-feira (16), após atingirem máximas em três anos e meio ontem, em meio a sinais de que o rali visto desde o começo do ano começa a afetar o ritmo de crescimento da demanda.
Às 8h34min (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para julho caía 0,69% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 77,89, depois de chegar a alcançar US$ 79,47 na sessão anterior, o maior patamar desde novembro de 2014. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para junho recuava 0,27%, a US$ 71,12 por barril.
Em relatório mensal divulgado mais cedo, a Agência Internacional de Energia (AIE) reduziu sua previsão de aumento na demanda global por petróleo este ano, de 1,5 milhão de barris por dia (bpd) para 1,4 milhão de bpd. Isso significa que a demanda em 2018 deverá ficar em 99,2 milhões de bpd. "Nós alertamos sobre o impacto negativo que os preços mais altos do petróleo teria no crescimento da demanda por produtos", comentou Olivier Jakob, diretor-gerente da consultoria suíça Petromatrix.
Neste ano, o Brent acumula valorização de cerca de 17%, impulsionado por cortes na oferta de grandes produtores e crescentes tensões geopolíticas. Investidores continuam atentos a desdobramentos referentes ao Irã, depois que os EUA decidiram na semana passada abandonar o acordo nuclear de 2015 com Teerã. Washington deverá restabelecer sanções ao Irã ao longo dos próximos seis meses. No passado, sanções chegaram a comprometer as exportações iranianas de petróleo em até 1 milhão de barris por dia.
O petróleo também está pressionado na esteira da última pesquisa do American Petroleum Institute (API). No fim da tarde de ontem, o API estimou que o volume de petróleo bruto estocado nos EUA aumentou 4,9 milhões de barris na semana passada. Por outro lado, o API também apontou reduções nos estoques de gasolina, de 3,4 milhões de barris, e de destilados, de 800 mil barris.
Nas próximas horas, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) publica o levantamento oficial sobre estoques dos EUA. Analistas estimam que o DoE mostrará queda de 400 mil barris nos estoques de petróleo bruto da última semana. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia