Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanços

Notícia da edição impressa de 16/05/2018. Alterada em 16/05 às 00h27min

Oi adia divulgação do balanço do 1º trimestre para dia 28 de maio

A Oi adiou a divulgação do balanço do primeiro trimestre, prevista para ontem, para o próximo dia 28 de maio. Em fato relevante, a companhia explica que se deve a uma reavaliação conjunta com auditores independentes em relação "ao momento adequado para o reconhecimento contábil da reestruturação da dívida".
Foi identificada necessidade de análises mais detalhadas por parte dos auditores em relação ao reconhecimento da conversão da dívida dos bondholders qualificados em ações. No mesmo documento, a companhia resolveu antecipar os dados de Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e caixa, "para garantir a estabilidade das expectativas do mercado".
Conforme dados preliminares e não revisados pelos auditores independentes, o Ebitda é de R$ 1,56 bilhão no primeiro trimestre e o caixa, de R$ 6,22 bilhões. Antes, em fato relevante de 28 de março, a empresa havia informado que o patrimônio líquido de 31 de março de 2018 voltou a ser positivo.
Ainda de acordo com o fato relevante divulgado nesta terça-feira, 15, no balanço de 2017, que foi aprovado na segunda-feira em assembleia de acionistas, consta em nota explicativa, a de número 29, que os principais impactos contábeis decorrentes da homologação do Plano estão estimados de forma preliminar e são: 1) reconhecimento do valor justo das dívidas (bancos, agências de crédito a exportação e bondholders não qualificados); 2) reconhecimento do valor justo da dívida alocado na Cláusula Geral de Pagamento (Cláusula 4.3.6 do Plano); e 3) reconhecimento da conversão da dívida dos bondholders qualificados em ações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia