Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

15/05/2018 - 10h13min. Alterada em 15/05 às 10h13min

Lucro líquido da Light cresce 276% em um ano

A Light registrou no primeiro trimestre de 2018 lucro líquido de R$ 93 milhões, valor 275,7% maior que o de R$ 25 milhões anotado no mesmo intervalo do ano passado. O lucro líquido apresentado, porém, veio 51,8% abaixo das estimativas. A média das projeções de analistas do BTG Pactual, Itaú BBA, JPMorgan, Morgan Stanley, Safra e Santander era de R$ 193,2 milhões.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado ajustado foi de R$ 472 milhões, o que representa uma queda de 3,8% em relação ao mesmo período de 2017. A margem Ebitda caiu para 16,6%, ante 19,2% no primeiro trimestre do ano anterior. A receita líquida aumentou 11,1% para R$ 2,842 bilhões e o resultado financeiro foi uma despesa 45,2% menor, de R$ 153 milhões.
No informe que acompanha o demonstrativo financeiro, a companhia diz que o indicador de covenants Dívida Líquida/Ebitda encerrou o primeiro trimestre em 3,21 vezes, abaixo do limite superior de 3,75 vezes estabelecido contratualmente.
A dívida líquida ao final de março chegou a R$ 7,480 bilhões, acima da de R$ 7,206 bilhões ao final do quarto trimestre de 2017. O saldo da dívida bruta em março foi de R$ 7,694 bilhões, 1,9% acima de dezembro de 2017, o que é explicado principalmente pelas captações de recursos - 14ª emissão de debêntures da Light SESA de R$ 325 milhões; CCB com o Banco do Brasil de R$ 150 milhões na Light SESA; CCB com o Santander de R$ 117 milhões na Light SESA; e 4ª emissão de Notas Promissórias na Light Energia de R$ 100 milhões - compensadas pelas amortizações e pagamentos de juros ocorridos no trimestre.
As captações se dão dentro de um estratégia de refinanciamento iniciada no primeiro semestre de 2017 e com perspectiva de conclusão até o final de maio deste ano, ainda de acordo com a Light.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia