Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/05 às 18h14min

Bolsas de Nova Iorque sobem com expectativa por acordo comercial entre EUA e China

As bolsas de Nova Iorque fecharam em alta nesta segunda-feira (14), em meio à percepção de investidores de que as relações comerciais entre os Estados Unidos e a China estão saindo do degelo. Nesse cenário, ganhou alguma força a visão de que uma solução "não apocalíptica" para o impasse tarifário arrastado ao longo dos últimos meses está se tornando mais provável.
Além disso, os preços ascendentes do petróleo apoiaram ações do setor de energia, após a Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) fazer projeções para a produção e a demanda da commodity que favorecem o avanço das cotações.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,27%, aos 24.899,41 pontos, acumulando a oitava sessão consecutiva de ganhos, na sequência mais longa desde setembro de 2017, quando subiu por nove pregões seguidos. O S&P 500 avançou 0,09%, aos 2.730,13 pontos, e o Nasdaq, por sua vez, ascendeu 0,11%, para os 7 411,32 pontos.
A expectativa por um apaziguamento das tensões comerciais sino-americanas tem origem em uma afirmação de ontem do presidente dos EUA, Donald Trump, em sua conta no Twitter, de que está trabalhando com o presidente da China, Xi Jinping, para dar à telecom chinesa ZTE "uma forma de voltar aos negócios, rapidamente".
Desde abril, uma ordem do Departamento do Comércio americano impede que empresas do país vendam componentes e softwares para a ZTE, penalizada por violar sanções econômicas de Washington ao Irã e à Coreia do Norte.
O aceno de Trump veio em meio a algumas rodadas de negociação entre delegações dos EUA e da China em busca de um acordo comercial.
"As pessoas estão apostando em ações porque elas conseguem ver a luz no fim do túnel (no que se refere a) tarifas", disse o sócio-gerente do Harris Financial Group, Jamie Cox. "Os mercados podem agora focar na atividade econômica real e parar de se preocupar tanto com os tons a mais das tarifas."
Os papéis da fabricante de aeronaves Boeing, que tem importantes contratos na China, conseguiram pegar embalo no noticiário sobre o comércio global, com avanço de 0,62%. Já no setor de energia, as ações da petroleira Chevron marcaram ganho de 0,42%, enquanto as da ExxonMobil subiram 0,68%.
A maior ganhadora do Dow Jones nesta segunda-feira, contudo, foi a UnitedHealth, cujas ações avançaram 1,94%, ainda na esteira do plano anunciado por Trump para baratear remédios sob prescrição nos EUA por meio de ajustes no sistema público de saúde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia