Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

14/05/2018 - 10h38min. Alterada em 14/05 às 10h38min

Lucro recorrente do Banrisul cresce 33,1% no 1º trimestre

Patrimônio líquido do banco somou R$ 7,2 bilhões em março, expansão de 11% em um ano

Patrimônio líquido do banco somou R$ 7,2 bilhões em março, expansão de 11% em um ano


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Banrisul lucrou R$ 244 milhões nos primeiros três meses de 2018. O resultado, divulgado nesta segunda-feira (14), representa um crescimento de 33,1% sobre o lucro recorrente (aquele que desconsidera eventos extraordinários) de R$ 183,3 milhões visto no mesmo período de 2017.
Levando-se em conta todos os aspectos, o aumento é ainda maior, de 89,8% sobre o lucro líquido de R$ 128,5 milhões apurado no primeiro trimestre de 2017. O resultado à época, porém, foi influenciado por fatos incomuns, como um Plano de Aposentadoria Voluntária que custou ao banco R$ 99,7 milhões apenas nos primeiros meses do ano passado.
Segundo o relatório do banco, o resultado “reflete o aumento da margem financeira, o menor fluxo de despesas de PDD (provisão para devedores duvidosos), o crescimento das receitas de tarifas e serviços, bem como o acréscimo das despesas administrativas, em especial as relacionadas ao incremento nos negócios, e a trajetória desfavorável das outras receitas/despesas operacionais”.
O índice de inadimplência de 90 dias, que no ano passado estava em 4,97%, agora atinge apenas 3,43% da carteira do Banrisul. Com isso, as provisões do banco também caíram, de R$ 375,7 milhões para R$ 304,9 milhões, representando queda de 18,8% em um ano. Em relação a março de 2017, a carteira de crédito total do banco cresceu 4,1%, chegando a R$ 31,78 bilhões.
A margem financeira ficou em R$1.347,3 milhões, aumento de 9,3% frente ao valor registrado no mesmo trimestre de 2017 e retração de 5,6% na comparação com trimestre imediatamente anterior. Já o patrimônio líquido do banco atingiu R$ 7,2 bilhões em março, expansão de R$ 713,3 milhões ou 11,0% em um ano.
Entre as subsidiárias, a Banrisul Cartões, que administra a rede de adquirência Vero e o BanriCard, cresceu 15,9% em faturamento em relação ao ano passado, alcançando R$ 165,5 milhões. Quase tudo, R$ 153,6 milhões, são oriundos da Vero, que o banco afirma ter crescido 17% nos últimos doze meses. O lucro líquido da controlada, da qual o banco já anunciou pretender abrir capital, foi de R$ 58,8 milhões no trimestre. As controladas Consórcios (R$ 7,9 milhões), Corretora (R$ 507,4 mil), Banrisul Icatu (R$ 14,6 milhões) e Bem Promotora (R$ 1,7 milhão) também registraram lucros no período.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia