Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

11/05/2018 - 08h40min. Alterada em 11/05 às 08h46min

Governo gaúcho diz que venda de ações do Banrisul 'foram conduzidas de modo transparente'

Negociação em duas operações de venda rendeu ao governo R$ 532,4 milhões

Negociação em duas operações de venda rendeu ao governo R$ 532,4 milhões


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O governo do Rio Grande do Sul afirmou, por meio de nota divulgada na noite dessa quinta-feira (10), que a venda de ações do Banrisul "foram conduzidas de modo transparente" e "obedecendo a todas as regras determinadas pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e a legislação aplicável".
Na semana passada, o banco teve de se explicar para a B3 e a CVM sobre a oferta de papéis em duas operações realizadas em abril. A venda de 2,9 milhões de ações ordinárias no dia 27 de abril, pertences ao capital acionário do Estado, não foi comunicada previamente.
A B3 e da CVM cobraram esclarecimentos do banco sobre a venda mais recente diante da "oscilações registradas com as ações de emissão da empresa, número de negócios e quantidade negociada". Na ocasião, o governo disse que era inverídica a informação de que "apenas um comprador levou 70% das ações ofertadas".
Em entrevista ao Jornal do Comércio, o secretário estadual da Fazenda, Luiz Antônio Bins, disse que as operações de venda foram autorizadas pelo conselho diretor do Programa de Reforma do Estado (PRE), a quem cabe gerenciar recursos depositados no Fundo de Reforma do Estado (FRE) e oriundos de operações como a venda de ativos. 
A alienação total somou 26 milhões de ações preferenciais (em 10 de abril) e 2,9 milhões de ações ordinárias (em 27 de abril). A negociação rendeu ao governo R$ 532,4 milhões (R$ 489,7 milhões ingressaram nos cofres em abril e R$ 52 milhões, em maio), conforme o Portal da Transparência do Estado.
Na nota divulgada ontem, o governo voltou afirmar que as negociações "preservam o interesse público do Rio Grande do Sul e consolidam a posição do banco no mercado". "Assim como ocorreu até aqui, o governo do Estado continuará observando todas as regras técnicas e fornecendo todas as informações necessárias aos órgãos de controle", finaliza a nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia