Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Antônio Hohlfeldt

Teatro

Notícia da edição impressa de 11/05/2018. Alterada em 10/05 às 16h35min

Nelson Rodrigues redefinido

Depois das reações negativas e da condenação da crítica a Álbum de família, de 1946, Nelson Rodrigues retraiu-se. Seu retorno se deu em 1951, quando estreou Valsa nº 6, um pretenso monólogo que, ao mesmo tempo em que renovava o gênero, abria-lhe novos horizontes. A peça foi dedicada à irmã Dulce, atriz que interpretou a obra, com direção de Henriette Morineau.
Sábato Magaldi, na introdução geral à obra rodrigueana que escreveu para a edição do teatro completo do dramaturgo, chama a atenção para o fato de que Valsa nº 6, de certo modo, retoma e inverte a perspectiva já apresentada em Vestido de noiva. Naquela obra de 1943, Alaíde, atropelada, rememora sua vida antes de morrer. A encenação de certo modo objetiva estas memórias. No caso da Valsa nº 6, Sônia, recém-assassinada, tenta recordar o que aconteceu, mas, por ser um monólogo, tudo ocorre na representação através de sua fala e sua incorporação, digamos assim, de modo que ela, mesmo desconhecendo (num primeiro momento) quem seja Sônia - pois não se reconhece nesta figura e mesmo tenta negar-se a ser ela -, é capaz de rememorar falas e ações de seus pais ou do médico Dr. Junqueira.
À parte a renovação radical do gênero, que dá ao texto uma dinâmica única e até hoje incomparável ao texto, originalmente idealizado para dois atos, Nelson Rodrigues, uma vez mais, se colocou na vanguarda de questões que, só muitos anos depois, tornar-se-iam temas polêmicos entre nós, neste caso, o assédio sexual: Sônia se divide entre o asco que sente pelo médico Dr. Junqueira, mais velho, apaixonado por ela e que sempre lhe pede que toque a Valsa nº 6, de Chopin; e Paulo, aparentemente a paixão de sua vida, mas que seria um homem casado de quem, pois, obrigatoriamente, ela deveria se afastar, segundo as convenções da época. Mas Paulo chega a beijá-la, e isso a transforma em uma pessoa pecaminosa, a seu próprios olhos. Sônia, pois, carrega este sentimento de culpa, de remorso e de repulsa a si mesmo, que permanece logo depois de seu assassinato e que dificulta ela identificar a situação em que está envolvida.
O texto sugere que o assassino seja o velho médico, talvez com ciúmes do jovem. O título da peça, por seu lado, remete a uma pequenina composição de Chopin, que tem exato um minuto de duração, o que significa, em última análise, que, ao longo dos dois atos de encenação - que em tempo real deve chegar a cerca de hora e meia -, estamos, na verdade, acompanhando a um minuto, apenas, de funcionamento da memória da personagem. Veja o leitor, pois, toda a radicalidade e inventividade dramática desenvolvida por Nelson Rodrigues, que, a cada obra de sua autoria que lemos ou a que assistimos, sempre nos faz admirá-lo e respeitá-lo cada vez mais, tendo ele, ao longo das décadas de 1940 a 1980, renovado profundamente a dramaturgia brasileira, com toda a certeza e, por certo, dado novas perspectivas à dramaturgia universal, muito antes, ainda, e sem necessitar aderir à tal dramaturgia pós-moderna. Infelizmente, Nelson Rodrigues sempre escreveu em português, foi pouco traduzido e, portanto, continua desconhecido internacionalmente, salvo umas poucas montagens realizadas no exterior e sobre as quais não se pode dizer nada, pois as desconhecemos.
Caco Coelho especializou-se em Nelson Rodrigues. Já montou vários espetáculos a partir dos textos do dramaturgo recifense. Pessoalmente, quase nunca concordo com suas leituras, que me parecem forçadas em relação à dramaturgia rodrigueana. Mas, desta vez, com Valsa nº 6, ele acertou a mão. Coelho manteve fidelidade ao texto mas recriou-o dramaticamente. Para isso, contou com uma atriz excepcional: Gisela Sparremberger, que, por sua vez, teve nesta interpretação seu grande momento.
Coelho resolveu personificar, fisicamente, parte do coro idealizado pelo dramaturgo: para isso, conta com a participação de alguns figurantes, além de providenciar que parte da plateia vista jalecos brancos de enfermeiras ou médicos, o que amplia o sentimento de agonia e o ambiente mórbido da encenação. Um cenário de panos brancos leves e esvoaçantes contrasta com alguns elementos vermelhos: é o contraste entre a pureza e ingenuidade da menina, então transformada em mulher, segundo o Dr. Junqueira. Os figurinos de Marco Tarragô, a iluminação de Guto Greca, a trilha sonora de Pedrinho Figueiredo e a cenografia de Vicente Saldanha deram consistência às ideias de Caco Coelho que alcança, assim, com esta montagem, um excelente momento em sua carreira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia