Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

energia

30/04/2018 - 08h26min. Alterada em 30/04 às 08h28min

Programa do governo federal 'Luz para Todos' é estendido até 2022

Com o objetivo de propiciar energia à população rural,  o programa atendeu 500 mil pessoas desde 2016

Com o objetivo de propiciar energia à população rural, o programa atendeu 500 mil pessoas desde 2016


Marcelo Camargo/ABR/JC
O Diário Oficial da União desta segunda-feira (3) traz a publicação do Decreto 9.357, que prorroga por mais quatro anos o programa Luz para Todos. O programa foi lançado em 2003 e iria vigorar até 2018. Com o decreto, agora foi estendido até 2022. Com o objetivo de propiciar o atendimento em energia elétrica à parcela da população do meio rural que não possua acesso a esse serviço, o Luz para Todos atendeu 500 mil pessoas nos últimos dois anos, em 15 Estados, segundo informações do Palácio do Planalto.
Segundo o decreto, terão prioridade no atendimento do programa:
  • Famílias de baixa renda residentes na área rural que ainda não tenham acesso ao serviço público de energia elétrica e inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais 
  • Famílias beneficiárias de programas de governo que tenham por objeto o desenvolvimento social e econômico
  • Assentamentos rurais
  • Comunidades indígenas, quilombolas e outras comunidades localizadas em reservas extrativistas ou impactadas diretamente por empreendimentos de geração ou de transmissão de energia elétrica
  • Escolas
  • Postos de saúde 
  • Poços de água comunitários
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia