Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Síria

Alterada em 17/04 às 10h51min

Síria diz que houve alarme falso, após citar ataque estrangeiro no país nesta terça

Um alarme falso ativou os sistemas de defesa aérea da Síria mais cedo nesta terça-feira (17), afirmou a imprensa estatal do país. Com isso, o regime de Bashar al-Assad negou a versão anterior de que teria havido uma "agressão estrangeira" com ataques aéreos, em uma mostra da natureza múltipla e mesmo caótica dos confrontos locais.
Horas antes, a imprensa estatal havia dito que o país enfrentou outro ataque, derrubando mísseis na região central de Homs e em um subúrbio de Damasco, antes do anoitecer. Não foi informado quem seria o autor do ataque, que ocorreria dias após os Estados Unidos, o Reino Unido e a França lançarem mísseis contra locais usados para a fabricação de armas químicas no país. Os três países culpam o regime de Bashar al-Assad por um suposto ataque com armas químicas neste mês perto da capital.
O Centro de Mídia Sírio chegou a afirmar que seis mísseis foram lançados na base aérea Shayrat, em Homs, acrescentando que as forças locais derrubaram a maior parte deles. O mesmo meio ainda falou sobre outro ataque aéreo na base aérea de Dumayr, um subúrbio de Damasco.
O Pentágono negou qualquer atividade militar americana na área. Israel não comentou o assunto - o país muitas vezes realiza ataques aéreos na Síria, mas raramente os assume. Horas depois, a TV síria divulgou o comunicado militar segundo o qual teria havido um "falso alarme", sem dar mais detalhes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia