Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Notícia da edição impressa de 16/04/2018. Alterada em 15/04 às 20h21min

Para Maduro, Cúpula das Américas é intolerante e está 'condenado ao fracasso'

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, criticou ontem a Cúpula das Américas, acusando o evento realizado no Peru de intolerância ideológica e assegurando que a cúpula está "condenada ao fracasso". Depois de uma reunião em Caracas com o presidente da Bolívia, Evo Morales, o líder venezuelano disse que o encontro de dois dias, ocorrido em Lima, é anacrônico porque, em vez de ser um lugar para o encontro dos países do continente, tornou-se um espaço para desacordo.
"Começo a ver o que poderia ser o fim da Cúpula das Américas por intolerância ideológica e intolerância política", declarou Maduro, que não foi convidado para o evento. Ele ressaltou que, além da ausência de vários líderes, o fracasso do encontro continental também ficou evidente porque não houve acordo em nenhuma área. O governo peruano cancelou o convite enviado ao presidente para participar da cúpula, argumentando que a Venezuela quebrou os princípios democráticos e estava se tornando uma ditadura.
Sobre o anúncio do presidente da Argentina, Mauricio Macri, e de outros governantes da região de que não reconheceriam o resultado das eleições venezuelanas, marcadas para 20 de maio, Maduro disse que "o que importa é que as instituições e o povo as reconheçam". De acordo com o líder chavista, não importa o que presidentes como Macri, Temer e o colombiano Juan Manuel Santos pensam sobre a Venezuela. "Vou dar uma lição aos combatentes imperialistas Macri, Temer e Santos: eles serão derrotados", avisou. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia