Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

China

04/04/2018 - 15h36min. Alterada em 04/04 às 15h40min

Pequim vai transformar fábricas abandonadas em bibliotecas, museus e galerias

Sucesso da Zona de Arte 798, em Pequim, vai inspirar a criação de novos espaço culturais na cidade

Sucesso da Zona de Arte 798, em Pequim, vai inspirar a criação de novos espaço culturais na cidade


Charlie Fong/Wikipedia/Divulgação/JC
Agência Xinhua
A capital de China, Pequim, planeja transformar mais fábricas abandonadas em instalações culturais públicas, aos moldes do que foi feito na Zona de Arte 798, localizada na região leste da cidade.
O governo municipal publicou nesta quarta-feira (4) um plano para fazer uma melhor uso das fábricas, renovando-as e convertendo-as em bibliotecas, museus, galerias, livrarias e salas de cinema, com o objetivo de fomentar a cultura criativa de capital.
Pequim tem 242 fábricas antigas vazias, com uma superfície total de mais de 25 milhões de metros quadrados. Entre elas, já 109 foram reformadas e outras 26 estão em processo de reforma.
Pequim avaliará as fábricas antigas e definirá um esquema de proteção e desenvolvimento, de acordo com o plano urbano geral da capital. Algumas fábricas abandonadas serão transformadas em parques industriais criativos, e projetos de alto nível são bem-vindos, afirmou Zhao Lei, diretor do escritório municipal de supervisão e gestão de bens culturais estatais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia