Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

clima

23/04/2018 - 14h39min. Alterada em 23/04 às 14h44min

Friozinho do outono chega ao RS na segunda metade de maio

Ocorrência de geada, comum em manhãs de frio, deve começar a partir do mês que vem

Ocorrência de geada, comum em manhãs de frio, deve começar a partir do mês que vem


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
Mesmo em pleno outono, o calor segue predominando no Rio Grande do Sul. Nos últimos dias, apesar do maior frescor à noite e cedo pela manhã, as tardes ainda são de máximas em torno de 29°C a 30°C e de sensação de abafamento. De acordo com o Climatempo, o friozinho típico do outono deve chegar ao Brasil na virada da primeira para a segunda quinzena de maio.
Na Região Sul, a queda mais acentuadas nas temperaturas deve ser sentida a partida da metade do mês que vem, quando os três estados do Sul já poderão ter geada, mas ainda sem risco à agricultura. Temperaturas abaixo de zero são esperadas para as regiões mais elevadas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.
Os porto-alegrenses podem esperar sensação de frio em boa parte da segunda metade de maio e junho. Ainda assim, o outono e o inverno deste ano não devem ser tão rigorosos, a exemplo do ano passado. Conforme o Climatempo, como não há previsão de ocorrência de El Niño ou La Niña, fenômenos oceânico-atmosféricos que causam resfriamento ou aquecimento fora do normal, a situação geral é de neutralidade, com tendência de aquecimento.
Para o feriadão de 1º de maio, a previsão ainda é de aquecimento. Uma massa de ar seco e quente ganha força na última semana de abril entre o Paraguai e o Brasil e dificulta o deslocamento da chuva e do ar polar das frentes frias. A tendência é de muito sol e tardes quentes, com refresco à noite.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia