Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

17/04/2018 - 08h46min. Alterada em 17/04 às 09h08min

Via Campesina e MST bloqueiam estradas em protestos no Sul do Estado

Mais de 2 mil pessoas devem participar das mobilizações, que não têm data para serem encerradas

Mais de 2 mil pessoas devem participar das mobilizações, que não têm data para serem encerradas


MST/Divulgação/JC
Manifestantes ligados à Via Campesina, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), iniciaram nesta terça-feira (17) uma mobilização na região Sul do Estado. Eles cobram do governo gaúcho uma solução para a estiagem que atinge 24 municípios na região. 
Desde o início da manhã, os trabalhadores se concentravam no Trevo do Atacadão do Povo, que dá acesso à cidade de Canguçu, na ERS-265. De lá, o grupo deu início a uma marcha pela cidade em direção à BR-392. Conforme a Via Campesina, mais de 2 mil pessoas devem participar das mobilizações, que não têm data para serem encerradas. Para o MST, as ações fazem parte da Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária.
Os trabalhadores também pedem pela retornada da Reforma Agrária, a continuidade da execução do Programa Camponês e a realização de eleição direta este ano.
De acordo com nota do MST, a estiagem que atinge especialmente as regiões da Campanha, Fronteira Oeste e Sul, tem prejudicado o desenvolvimento de cadeias produtivas dos pequenos agricultores e assentados da Reforma Agrária. Segundo o dirigente nacional do movimento, Ildo Pereira, a produção de leite teve cerca de 70% de perda e muitas famílias desistiram da atividade. O cultivo de hortifrutigranjeiros também registrou prejuízos, e a falta de chuva por mais de três meses deixou seco 90% dos açudes pequenos.
Protestos de trabalhadores ligados ao MST também ocorrem em outras cidades do Estados. Um grupo de ao menos 150 manifestantes bloqueou trecho da BR-293, em Candiota, também na região Sul.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/04/17/206x137/1_896ad004_1852_4f3d_9bb2_3418df7f91b7-1790784.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ad5dfeb6d242', 'cd_midia':1790784, 'ds_midia_link': 'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/04/17/896ad004_1852_4f3d_9bb2_3418df7f91b7-1790784.jpg', 'ds_midia': 'rabalhadores bloqueiam a BR-293, em Candiota', 'ds_midia_credi': 'Talia Josiane Machado/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'rabalhadores bloqueiam a BR-293, em Candiota', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '480', 'align': 'Left'}
Manifestantes queimaram pneus e bloquearam estrada em Candiota. Foto Talia Josiane Machado/Divulgação/JC
Eles queimaram pneus na pista, interrompendo o trânsito na local. Entre as reivindicações, os manifestantes pedem, ainda, pela liberdade do ex-presidente Lula, preso na semana passada. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, há congestionamento nos dois sentidos entre Candiota e Bagé. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia