Ingrid, fundadora e presidente do Empowering a Billion Women by 2020, faz palestras pelo Rio Grande do Sul  Ingrid pretende engajar um bilhão de mulheres em projetos empreendedores até 2020 Foto: EBW/Divulgação/JC

Projeto global quer impulsionar negócios de mulheres

Após experiência na Dell, Ingrid Vanderveldt fundou o EBW, que já alcançou mais de 800 milhões de pessoas

A norte-americana Ingrid Vanderveldt, fundadora e presidente do projeto Empowering a Billion Women (EBW) by 2020 – movimento que tem como meta empoderar, por meio da tecnologia e empreendedorismo, 1 bilhão de mulheres até 2020 – fará uma série de palestras em universidades de Porto Alegre na semana que vem. Sua primeira parada é na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), dia 9 de abril, segunda-feira, às 14h, no Salão de Atos.
Ingrid, que vem à cidade a convite do consulado dos Estados Unidos, é ex-executiva da Dell, onde foi a primeira Entrepreneur-in-Residence, supervisionando iniciativas de empreendedorismo ao redor do mundo e criando ações da empresa, como Dell Innovators Credit Fund, Dell Founders Club e Dell Center for Entrepreneurs. Nesta entrevista, concedida por Skype, ela dá detalhes sobre sua proposta pessoal.
GeraçãoE - Qual o foco das suas apresentações no Brasil?
Ingrid Vanderveldt - O foco está nas mulheres, empreendedorismo e o futuro da inovação.
GE – Como você pretende engajar as empreendedoras daqui?
Ingrid – Minha expectativa é começar o diálogo e entender em que ponto as coisas estão, as oportunidades, os interesses, as necessidades. A partir disso, analisar de que forma a cena de empreendedorismo feminino local pode colaborar globalmente. Meu interesse, nas viagens internacionais, é manter o crescimento da EBW e conectar pessoas de diferentes partes do mundo. Se empreendedoras quiserem produzir coisas juntas, organizamos como levar adiante. E a maneira de fazer isso é, por exemplo, abrindo um capítulo da EBW no Brasil, ou vários capítulos. Precisamos achar líderes interessadas nisso. Queremos levar mentorias, acesso à capital, ajudá-las a entender melhor suas finanças para que encontrem novas oportunidades.
GE – Que tipos de auxílio são oferecidos pela EBW?
Ingrid – Recém lançamos um novo projeto, chamado MintHER. É importante lembrar que empresas fecham por falta de clareza sobre suas finanças. Para ser mais exata, 74% dos pequenos negócios terminam por analfabetismo financeiro. O MintHER faz com que as empreendedoras coloquem os números de suas empresas em um software e tenham acesso a um relatório, que mostra áreas para melhorar processos ou fazê-los de forma diferente. Quando elas têm esse controle, a segunda função do programa é conectá-las com corporações globais para aumentarem seus negócios.
GE – Que dado destacaria sobre a presença da mulher no empreendedorismo?
Ingrid – Quando as mulheres ganham dinheiro, elas reinvestem 90% em suas comunidades. Se queremos uma economia mais forte, precisamos ver as mulheres crescerem e escalarem seus negócios.
GE – O que te motivou a começar o projeto?
Ingrid – As mulheres enfrentam desafios específicos. Elas não têm o mesmo acesso a mentorias e linhas de financiamento que os homens. Então, quis usar o que aprendi e compartilhar com o maior número de mulheres possível. Tive um mentor que me ajudou muito, o mesmo de Michael Dell (presidente da Dell). Ele me ajudou tanto que decidi fazer o mesmo com outras mulheres. A segunda motivação foi como um verdadeiro chamado. Cresci me sentindo uma missionária e, entre 2010 e 2011, quando pensava qual seria a próxima coisa que faria, veio a ideia de criar a plataforma.
GE – Quantas pessoas você engaja hoje no mundo?
Ingrid – Se somar tudo, palestras, plataformas, clientes, nós já alcançamos mais de 800 milhões de pessoas. Nosso objetivo, com o lançamento da Fundação EBW, é termos a parte sem geração de lucros e a parte com geração de lucros do negócio. Na fundação, estamos desenvolvendo aplicativos para celulares, e queremos ver 1 bilhão de mulheres na plataforma até 2020.

Agenda

Ufrgs 
Unisinos
UCS
  • Palestra: “Tornando o impossível, possível: o papel da tecnologia no sucesso global”
  • Quando: 10 de abril, às 9h
  • Local: Campus-sede da Universidade de Caxias do Sul – Sala Florense – Bloco M (Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 – Caxias do Sul).
  • Inscrições: Confirmar presença pelo telefone (54) 3218-2598 ou pelo email mobilidade1@ucs.br 
Tecnopuc
  • Palestra: “Tornando o impossível possível: a tecnologia como o grande motor para o sucesso mundial nos negócios”
  • Quando: 11 de abril, às 9h
  • Local: Tecnopuc – Prédio 97, Auditório Bill Hewlett – David Packard (Av. Ipiranga 6681)
  • Inscrições: http://bit.ly/tornandoimpossivelpossivel
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Mostre seu Negócio