Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Alterada em 15/04 às 18h32min

Inter vence o Bahia em dia de feliz reencontro com a Série A

Nico López marcou os gols do Inter na vitória de 2 a 0 sobre o Bahia, no Beira-Rio

Nico López marcou os gols do Inter na vitória de 2 a 0 sobre o Bahia, no Beira-Rio


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Igor Natusch
O sentimento no Beira-Rio era de reencontro. Depois de amargar um longo 2017 no umbral da segunda divisão, o torcedor colorado voltou - neste domingo (15) - a ter a chance de ver, em casa, uma partida pela Série A do Campeonato Brasileiro, o que não acontecia desde o distante 27 de novembro de 2016, quando o Inter fez 1 a 0 no Cruzeiro. Além do retorno à elite do futebol nacional, a data marca o aniversário do craque D’Alessandro, que completou 37 anos. Para a alegria de todos, a estreia colorada não estragou o clima de festa: em um jogo de muita entrega, o Inter se impôs e fez 2 a 0 no Bahia, somando os primeiros três pontos na competição.
A opção de Odair Hellmann foi colocar D’Alessandro centralizado, abrindo Rossi e Patrick pelos lados e Pottker, recuperado de lesão, enfiado entre os zagueiros do Bahia. O desenho, porém, durou menos de dez minutos: Rossi sentiu a virilha esquerda e saiu, substituído por Nico López. Um nome que seria decisivo no decorrer da partida.
Ansioso, o Inter quase fez gol contra aos 12 minutos, quando Iago e Marcelo Lomba trombaram dentro da pequena área. O lateral-esquerdo se recuperou a tempo e afastou. Aos 17, outra colisão, desta vez entre Douglas Friedrich e William Pottker, fez a partida parar por vários minutos.
As trombadas pareceram ter sacudido o Inter, que começou a chegar mais. Faltava serenidade para criar chances claras de gol, mas a dedicação era grande, e o desafogo veio aos 37 minutos. D’Alessandro lançou Patrick pela esquerda, que cruzou para a chegada de Nico López. Foi um cabeceio, mas com a força de um chute, indefensável: Inter 1 a 0. Aos 44, quase o segundo. Em rápido contra-ataque, Douglas Friedrich saiu mal do gol, mas D’Alessandro desperdiçou o presente e chutou por cima.
O Tricolor da Boa Terra voltou da segunda etapa mais propositivo, apostando nos cruzamentos. Mas a estratégia dava espaços ao Inter, que ameaçava no contragolpe. Aos nove, D’Alessandro jogou por cima outra chance clara, e Nico López, um minuto depois, também mandou para fora. Aos quinze, não teve jeito: a zaga do Bahia bobeou, Edenílson tocou pelo alto e o uruguaio, no contrapé do goleiro, marcou de novo.
A partir daí, a torcida vermelha pôde cantar aliviada. A iniciativa do time visitante era estéril, e as melhores aproximações, sempre em velocidade, seguiram sendo coloradas. Mesmo sem gol, D’Alessandro recebeu, ao sair de campo, a justa ovação dos pouco mais de 22 mil colorados presentes. Depois do alegre recomeço entre os grandes, o Inter volta a campo na quinta-feira, em Salvador, enfrentando o Vitória, no jogo de volta da quarta fase da Copa do Brasil.
Internacional 2 x 0 Bahia
Marcelo Lomba; Fabiano, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenilson, Rossi (Nico López), D'Alessandro (Gabriel Dias) e Patrick; William Pottker (Brenner). Técnico: Odair Hellmann.
Douglas; Nino Paraíba, Tiago, Douglas Grolli e Léo; Gregore, Elton, Vinícius (Régis), Zé Rafael (Allione) e Marco Antônio (Junior Brumado); Edigar Junior. Técnico: Guto Ferreira.
Árbitro: Eduardo Valadão (GO)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia