Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 14 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

14/04/2018 - 21h34min. Alterada em 14/04 às 23h03min

Flamengo empata com o Vitória em noite desastrada da arbitragem

Lucas Paquetá marcou o gol mais rápido da história do Flamengo no Brasileirão aos 16 segundos

Lucas Paquetá marcou o gol mais rápido da história do Flamengo no Brasileirão aos 16 segundos


Flamengo/Divulgação/JC
Flamengo e Vitória fizeram um duelo eletrizante neste sábado (14), no Barradão, em Salvador, na primeira rodada do Campeonato Brasileiro. O time carioca saiu na frente logo aos 16 segundos e esteve duas vezes à frente do placar. Mas, com Éverton Ribeiro expulso ainda no início do primeiro tempo, viu o adversário alcançar o empate por 2 a 2.
O principal protagonista do duelo, porém, mesmo que às avessas, foi a arbitragem. Éverton Ribeiro foi expulso injustamente no lance que resultou no primeiro gol do Vitória. E, no segundo do Flamengo, Willian Arão estava impedido no início da jogada.
O Flamengo volta a atuar na competição contra o América Mineiro, no próximo sábado, no Maracanã. Antes, na quarta, no mesmo local, recebe o Independiente Santa Fe pela Copa Libertadores. Já o Vitória enfrenta o Internacional na quinta, pela Copa do Brasil, como mandante, e o Atlético Mineiro no próximo domingo, fora de casa, pelo Brasileirão.
O duelo deste sábado repetiu a última rodada do Brasileirão de 2017, quando as duas equipes se enfrentaram no Barradão, em duelo alucinante nos minutos finais: Diego fez de pênalti o gol do triunfo do Flamengo aos 49 do segundo tempo, por 2 a 1, resultado que rebaixava o Vitória. Mas, no mesmo instante, a Chapecoense virou sobre o Coritiba e salvou o time baiano.
Se a partida de dezembro foi eletrizante no final, a deste sábado teve um início memorável. O técnico interino Maurício Barbieri ousou na escalação e, na ausência de Everton, próximo de ser anunciado pelo São Paulo, colocou Lucas Paquetá, Diego, Éverton Ribeiro e Vinícius Júnior juntos na armação, com Henrique Dourado centralizado na frente. Foi premiado.
Logo aos 16 segundos, em rápida saída de bola, Vinícius Júnior carregou e tocou na direita. Lucas Paquetá, então, recebeu na entrada da área e finalizou rasteiro e no canto, colocado, com perfeição, para abrir o placar naquele que já surge como candidato ao gol mais veloz do campeonato.
O lance parecia desnortear ainda mais o desestabilizado Vitória. Derrotado na final do estadual pelo Bahia no último domingo e pelo Inter na quarta-feira, pela Copa do Brasil, o time não contava com alguns de seus principais atacantes, como Luan, Neílton e André Lima, lesionados. Reagiu, porém, de maneira inesperada.
Aos nove minutos, após sequência de três chutes perigosos, com direito a bola resvalada na trave, Rhayner aproveitou a sobra e finalizou no meio do gol. Éverton Ribeiro levantou as mãos, rebateu, o árbitro assinalou pênalti e expulsou o meia. A bola, contudo, tocara no rosto do jogador. Depois do erro da arbitragem e de muita reclamação, Yago cobrou no ângulo e empatou o duelo.
A tensão aumentou nos minutos seguintes. O jogo ficou disputado no meio-campo e o Flamengo, mesmo com um a menos, conseguiu manter o equilíbrio. Inspirado e com boa movimentação, Lucas Paquetá driblou dois marcadores, chutou cruzado e Caíque salvou aos 23. A entrada pouco depois de Willian Arão no lugar de Henrique Dourado, porém, esfriou o time carioca. O Vitória também ameaçou uma pressão nos minutos finais, mas era pouco efetivo.
Mas a boa dinâmica se repetiu no início do segundo tempo. Com Juninho no lugar do meia alemão Baumjohann, o time baiano quase virou no primeiro minuto, quando Uillian Correia finalizou para boa defesa de Diego Alves. A resposta foi imediata: em rápido contra-ataque, Vinícius Júnior recebeu de Paquetá e chegou sozinho na entrada da área, mas chutou por cima.
Aos poucos, diante da incapacidade do Vitória para criar, o duelo se tornou arrastado novamente. Se não dava espaços, o Flamengo pouco chegava nos contra-ataques. Ainda assim, fez o segundo aos 26 minutos em outra jogada irregular: Diego cobrou falta na área, Willian Arão - em posição de impedimento - desviou, Geuvânio aproveitou a sobra e cruzou para Réver colocar o time novamente na frente.
E, como no primeiro tempo, a vantagem durou pouco. Apenas quatro minutos depois, após cruzamento de Rhayner, Denílson subiu sozinho, cabeceou no canto e empatou o duelo. Em duelo prejudicado pelos erros, Vitória e Flamengo saíram de campo com um empate justo - e com muito a reclamar da arbitragem.
Vitória 2 x 2 Flamengo
Caíque; Rodrigo Andrade (Jeferson), Kanu, Ramon e Pedro Botelho (Guilherme Costa); Uillian Correia, Willian Farias, Yago e Baumjohann; Rhayner e Denílson. Técnico: Vagner Mancini.
Diego Alves; Rodinei, Réver, Juan e Renê; Cuellar, Lucas Paquetá (Geuvânio), Diego, Éverton Ribeiro e Vinícius Júnior (Pará); Henrique Dourado (Willian Arão). Técnico: Maurício Barbieri (interino).
Árbitro: Wagner Reway (Fifa-MT).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia