Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

habitação

Alterada em 26/04 às 11h12min

Com crise, cresce número de brasileiros que deixam de morar em imóveis financiados

Houve aumento de 6,9% no número de domicílios cedidos para quem 'mora de favor'

Houve aumento de 6,9% no número de domicílios cedidos para quem 'mora de favor'


JONATHAN HECKLER/ARQUIVO/JC
Folhapress
A crise econômica forçou brasileiros que compraram imóveis em prestações a deixar suas residências por não conseguir pagar as parcelas, indica pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgada nesta quinta-feira (26).
De acordo com a pesquisa, caiu 4,5% o número de domicílios onde o morador é proprietário e as prestações não foram quitadas. Por outro lado, houve aumento de 6,9% no número de domicílios cedidos por terceiros -que podem ser parentes ou empregadores, por exemplo.
Os dados são parte da pesquisa Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2017, feita com base em informações coletadas pela Pnad-C (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua).
A pesquisa mostra crescimento de 0,8% no número de unidades domiciliares no Brasil, que chegou em 2017 a 69,8 milhões, ou 550 mil a mais do que no ano anterior.
Deste total, 67,9% eram próprios do morador e já quitados, 5,6% próprios ainda a quitar, 17,6% alugados e 8,7% cedidos. O número de domicílios alugados cresceu 1,6% com relação ao ano anterior.
A coordenadora da Pnad-C, Maria Lúcia Vieira, diz que a queda no número de domicílios não quitados e o aumento dos alugados e dos cedidos pode indicar que proprietários em dificuldades para pagar as prestações decidiram entregar os imóveis ou alugá-los para viver em residências mais baratas.
Esse corte da Pnad começou a ser feito em 2016 e, portanto, não há como fazer comparações de longo prazo.
Pesquisa anterior divulgada pelo IBGE no início de abril mostrou que cresceu 7% o número de brasileiros que contou com aluguel para complementar a renda em 2017.
A pesquisa desta quinta confirma desigualdades nas condições de habitação no país, principalmente em relação ao acesso a água e esgoto. Na média nacional, 85,7% dos municípios têm acesso à rede de distribuição de água. Mas, enquanto no Sudeste o índice chega a 92,5%, no Norte é de apenas 59,2% e no Nordeste, de 80,3%.
Já no tratamento de esgoto, a média nacional de acesso à rede é de 66%. No Sudeste, chega a 88,9%. No Norte é de apenas 20,3% e no Nordeste, de 45,1%.
De acordo com os dados do IBGE, 2 milhões de domicílios no país ainda usam "outras formas de esgotamento", em suia maioria, despejo a céu aberto - no Norte, esses representam 8,8% do total e no Nordeste, 4,3%.
O acesso à energia elétrica é quase universal no país, chegando a 99,8% dos domicílios, seja pela rede ou por fontes alternativas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia