Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/04 às 09h51min

Dólar recua com realização de ganhos após ataque à Síria e Datafolha

O dólar opera com viés de baixa na manhã desta segunda-feira (16). Os agentes financeiros realizam ganhos recentes após a confirmação das expectativas de ataque dos Estados Unidos, Reino Unido e França à Síria na noite de sexta-feira (13). Pesquisa Datafolha mostrando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na liderança em todos os cenários em que ele aparece é aparentemente minimizada - assim como estaria sendo deixado em segundo plano a "pauta-bomba" que tramita no Congresso e que pode ter impacto de cerca R$ 667 bilhões nos cofres públicos até 2020.
O gerente de mesa de derivativos de uma gestora de recursos diz que o mercado realiza ganhos após o ataque à Síria, com os Estados Unidos saindo vitorioso com a operação. Em relação ao Datafolha, o mercado vê que à medida que vai passando o tempo Lula perde força, diz esse gerente. "Quanto mais tempo Lula ficar preso, tende a diminuir a margem de intenção de votos nele", avalia.
Às 9h28min desta segunda, o dólar à vista caía 0,48%, aos R$ 3,4098. O dólar futuro para maio recuava 0,29%, aos R$ 3,4140.
No exterior, os futuros das bolsas de Nova Iorque e os juros dos Treasuries operam com ganhos nesta manhã, com menor busca por segurança entre investidores, diante da avaliação de que o ataque com mísseis na Síria foi um fato pontual, não parte de um conflito mais amplo. Investidores aguardam ainda um discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Atlanta, Raphael Bostic, às 14h15min (no horário de Brasília).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia