Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/04 às 08h53min

Após fortes ganhos, petróleo cai mais de 1% com diminuição de risco geopolítico

Os futuros de petróleo operam em baixa de mais de 1% nesta manhã de segunda-feira (16), num movimento de realização de lucros após acumularem ganhos superiores a 8% e renovarem sucessivas máximas em três anos na última semana, à medida que diminuíram os riscos geopolíticos à oferta da commodity.
Às 8h42min (de Brasília), o barril do Brent para junho caía 1,18% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 71,72, enquanto o do WTI para maio recuava 1,16% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 66,61.
Na sexta-feira (13), o WTI atingiu o maior nível desde dezembro de 2014, horas antes de os EUA liderarem uma ofensiva militar na Síria, com participação do Reino Unido e França. O escopo da operação, no entanto, foi limitado e aparentemente não ampliou as tensões com o regime sírio ou com seus aliados, como a Rússia.
Washington alega ter lançado a ofensiva na Síria em retaliação a um suposto ataque com armas químicas que matou dezenas de sírios. Segundo analistas do Commerzbank, o petróleo mostra tendência de queda porque a Rússia, antigo aliado da Síria, não respondeu à operação dos EUA, como havia ameaçado.
De qualquer forma, o banco alemão pondera que riscos ligados ao Oriente Médio, que responde por cerca de dois terços das reservas de petróleo mundiais, "não desapareceram e poderão em breve disparar um novo rali dos preços".
Há expectativa de que os EUA anunciem novas sanções contra a Rússia ainda nesta segunda-feira e que, mais adiante, também possa reintroduzir sanções contra o Irã. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia