Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 16/04 às 08h02min

Cobre opera sem tendência única e alumínio estende rali da semana passada

Os futuros de cobre se mantêm estáveis em Londres e sobem levemente em Nova Iorque, enquanto o rali estende o rali visto ao longo da semana passada. Por volta das 6h25min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) operava a US$ 6.833,50 por tonelada, inalterado em relação ao fechamento da sessão anterior.
Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em maio tinha alta de 0,15%, a US$ 3,0755 por libra-peso, às 7h19 (de Brasília).
Já o alumínio na LME saltava 2,9%, a US$ 2.340,50 por tonelada. O rali do metal veio após os EUA decidirem, no último dia 6, impor novas sanções a oligarcas e empresas da Rússia, incluindo a Rusal, segundo maior produtor mundial de alumínio. Desde o anúncio das sanções, o alumínio acumula ganhos superiores a 16% em Londres.
Na última semana, tanto a LME quanto a Comex decidiram que irão banir temporariamente o alumínio fornecido pela Rusal, enquanto as agências de classificação de risco Moody's e Fitch retiraram os ratings que atribuíam à companhia russa. O banimento na LME entra em vigor a partir de amanhã (17).
Além disso, grandes produtoras de commodities têm alegado "força maior" para cancelar contratos de fornecimento do alumínio.
Entre outros metais básicos na LME, os ganhos eram quase generalizados. O zinco avançava 1,03% no horário indicado acima, a US$ 3.133,50 por tonelada, enquanto o níquel aumentava 1,08%, a US$ 14.060,00 por tonelada, e o chumbo tinha alta de 1,17%, a US$ 2.331,00 por tonelada. Exceção no mercado inglês, o estanho caía 0,51%, a US$ 20.850,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia