Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 13/04 às 11h45min

Banco Central tem incentivado Fintechs e não pretende regular companhias em demasia, diz Ilan

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta sexta-feira (13) que a instituição quer estimular as Fintechs, empresas nascentes de tecnologia financeira, sem regular em demasia o setor. Essas companhias ajudam a dar maior competição ao sistema, além de criarem novos produtos e modelos de negócios com redução de custos em várias áreas, disse.
"Temos adotado uma postura de deixar entrar, deixar competir e regular apenas quando necessário", comentou o presidente do BC, que participou nesta sexta-feira de evento do Insper e do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) na capital paulista com o tema "Risco Moral x Risco de Crédito".
Além de estimular as Fintechs, Ilan afirmou que o BC tem o objetivo de "empoderar" os bancos pequenos e médios, ao menos tempo que "resguarda" a liquidez destas instituições. "Temos mais de uma centena de bancos pequenos e médios, e um número ainda maior de cooperativas (cerca de 1000 instituições)", disse ele em sua apresentação.
O BC também que estimular o uso de meios eletrônicos de pagamentos e estimular a competição no setor de cartões, ressaltou o presidente da instituição. "Foram adotadas medidas que melhoram a concorrência e tornam o uso do cartão de crédito mais eficiente e barato", disse Ilan Goldfajn.
Ele ressaltou ainda em seus discurso medidas recentes do BC para estimular o uso do cartão de débito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia