Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 13/04/2018. Alterada em 12/04 às 21h07min

BR-116

A imprensa divulgou que o orçamento de publicidade da Caixa Econômica Federal (CEF) é de R$ 450 milhões para este ano. Nos jogos de futebol televisionados é frequente times com propaganda da CEF nas camisetas. A CEF é uma empresa pública federal destinada a prestar serviços financeiros de caráter assistencial e a ganhar na jogatina oficial. O governo federal gasta mais de R$ 1,5 bilhão em publicidade a cada ano, excluída aquela necessária para efeitos legais. Desde 2000, gastou ao redor de R$ 27 bilhões. Pois no dia 15/05/2017, na BR-116, próximo a Barra do Ribeiro, morreu o casal de médicos, professores e pesquisadores de notável atuação em Porto Alegre, Jorge Luiz Gross e Mirela Jobim de Azevedo, em colisão com um caminhão. Lembrei-me do fato quando li, em março de 2018, que a duplicação iniciada em 2012, do trecho de Guaíba a Pelotas, somente será concluída em 2020, a exigir, após R$ 1 bilhão já gastos, mais R$ 500 milhões para a sua conclusão atrasada desde 2015. Neste ano de 2018, estão previstos apenas R$ 100 milhões, sendo R$ 56 milhões de emendas parlamentares e o restante do orçamento da União. Essa rodovia federal é a mais mortal no RS. Se o governo federal tivesse investido 5% do valor dispendido em publicidade de 2012 a 2017 ou a verba de 2018 da CEF nessas obras, Jorge Luiz Gross e Mirela Jobim de Azevedo estariam vivos. (Pio Cervo, advogado)
Prefeito e os impostos
Nosso prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) só sabe aparecer na hora de pedir aumento de impostos na Câmara de Vereadores, revisão da planta do IPTU (que já é muito caro, além do ITBI estar entre os mais caros do Brasil), aumentos de passagens de ônibus etc. Porto Alegre está uma vergonha. Desde o início do mandado do prefeito, a cidade está tomada por capins, praças abandonadas, buracos intermináveis nas vias públicas, falta de segurança. A dificuldade para aprovação de projetos e a liberação de alvarás na prefeitura são processos intermináveis tirando energia e saúde de quem está buscando investir na cidade e gerar empregos. A saída é diminuir as despesas, revisar contratos de prestadores de serviços superfaturados, diminuir CCs, facilitar parcelamentos para pagamentos de contribuintes etc. Ou seja, gestão e não politicagem. Senhores vereadores, a população não aguenta mais os custos e impostos, pedimos que não aprovem mais nenhum aumento. A carga tributária está matando com muitas empresas e famílias. (Ruy Christini)
Lula
Será que ninguém entende que o ex-presidente Lula da Silva (PT) é prisioneiro lá em Curitiba? Pelo menos os políticos, governadores e senadores incluídos, parece mesmo que não entendem e foram visitá-lo na Polícia Federal. Mas, visitas só às quartas-feiras, ou quintas, conforme ocorreu, e para parentes de primeiro grau, segundo a lei. Advogados dele, que estão cadastrados como tal, podem vê-lo qualquer dia. Os visitantes políticos - que não viram o ex-presidente - saíram, segundo li, "indignados". Por qual motivo? Queriam palanque e visibilidade. (Roque Barcellos, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia