Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Investimentos

Notícia da edição impressa de 12/04/2018. Alterada em 11/04 às 20h31min

Startup quer criar projeto para cargas

A HyperloopTT, startup que propõe a construção de um trem de alta velocidade, anunciou a inauguração de um centro de pesquisa em Contagem (MG). O investimento inicial, de R$ 26 milhões, virá de empresas privadas parceiras, da HyperloopTT e do governo de Minas Gerais, através de uma Parceria Público-Privada (PPP). A ideia é elaborar um projeto para transporte de cargas, que pode ser aproveitado no Brasil ou em outros países.
Espécie de "trem-bala", o "hyperloop" funciona com cápsulas que são disparadas a cada 30 segundos por um tubo de alta pressão, sem janelas, a até 1,2 mil km/h. Uma versão de teste está sendo construída pela empresa em Toulouse, na França. A ideia do "hyperloop" foi concebida por Elon Musk, da SpaceX, em 2013. Desde então, duas startups entraram na corrida para viabilizar o projeto - a HyperloopTT e a Hyperloop One. A primeira já levantou US$ 100 milhões em investimentos, e a segunda, US$ 50 milhões.
Desde o ano passado, a HyperloopTT está sondando parceiros para investir em três rotas de transporte de carga no Brasil. Na Índia, em 2017, um investidor fechou um acordo para construir um trajeto de 160 km para transportar passageiros.
O custo da construção é estimado em US$ 20 milhões a US$ 40 milhões por quilômetro. De acordo com Bibop Gresta, presidente da HyperloopTT, o transporte de passageiros é mais caro que o de cargas, devido às peculiaridades das cápsulas, que devem ser adaptadas para abrigar pessoas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia