Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Notícia da edição impressa de 09/04/2018. Alterada em 06/04 às 20h54min

Quanto custa um feriado?

Cristiano Xavier
Feriados são esperados e desejados por todos, afinal, são momentos de descanso. Porém, os feriados podem não ser tão bons assim para os empresários, já que há significativo impacto na economia. Em 2017, cada feriado significou perda de R$ 1,5 bilhão no varejo, por exemplo. Em 2018, serão 14 feriados, sendo nove nacionais e outros cinco facultativos, que representarão uma perda estimada em R$ 11,7 bilhões no PIB do Rio Grande do Sul.
A grande questão não está nos feriados, mas como eles estão distribuídos no calendário. Em um período em que a economia do País precisa estar aquecida, os feriados, principalmente aqueles que caem em meio de semana e oportunizam os feriadões, acabam atrapalhando. Esse atraso na maximização da produtividade econômica do Estado - e do País - se dá devido essas datas caírem em quintas e sextas, afetando a operação das indústrias e do varejo. O mesmo acontece quando os feriados caem nas segundas. De acordo com a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul, cada dia de folga no Estado representa R$ 1,3 bilhão a menos na economia.
Mas como minimizar esses impactos financeiros? Se por um lado eles atrapalham a indústria e o varejo, por outro, ajudam no mercado de turismo e hospedagem. Como solução, a reforma trabalhista trouxe uma solução. Entre as mudanças realizadas, está a possibilidade de troca desses dias de folga. Por exemplo: antes as empresas alegavam que não tinham como pagar os custos de um funcionário nos feriados trabalhados. Agora, pode haver uma negociação para troca de dia do feriado. Ainda há alternativa de contratar pelo regime intermitente para datas específicas. Com tais mudanças, os custos das empresas para o funcionamento em feriados devem reduzir.
Em relação ao minimizar internamente os impactos, existem maneiras que podem auxiliar nesse processo. Nesse momento é importante um bom planejamento, para que tudo seja entregue no prazo, independente dos feriados. Planejar as compras de materiais ou insumos com antecedência, prevendo as semanas mais curtas é uma maneira de evitar imprevistos. O aumento de produtividade da equipe deve ser outro item para se levar em conta. Os setores precisam estar preparados para receber possíveis demandas posteriores e manter o prazo de entrega. A comunicação externa, avisando sobre o fechamento ou a interrupção de produção nos dias específicos é importante para manter o cliente informado.
Sócio do escritório Xavier Advogados
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia