Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 16/04/2018. Alterada em 13/04 às 20h28min

Crimes econômicos exigem atenção das empresas

PWC BRASIL/DIVULGAÇÃO/JC
Alex Freitas
Segundo a recente pesquisa Global Economic Crime and Fraud Survey, da PwC, que ouviu mais de 7,2 mil entrevistados em 123 países, metade das empresas brasileiras sofreu algum tipo de crime econômico nos últimos dois anos. Delas, 7% relataram prejuízos acima de US$ 50 milhões. Em 2016, apenas 12% das companhias nacionais foram vítimas desses crimes.
O aumento dos casos pode estar relacionado à maior percepção e compreensão do que é um crime econômico e, por consequência, sua identificação e acompanhamento. Tanto a sociedade quanto os órgãos reguladores estão exigindo mais transparência nas informações divulgadas e controles eficientes para prevenção e detecção de fraudes e crimes econômicos.
Os prejuízos decorrentes de crimes econômicos são muitos e impactam sobremaneira os negócios. A prática afeta a moral dos colaboradores, as relações comerciais, a reputação e a força da marca, as relações com órgãos reguladores e os preços de ações, no caso de companhias abertas. Entre os principais tipos de crime estão fraudes em compras, suborno ou corrupção e crime cibernético.
Percebe-se um esforço na fiscalização, bem como adoção de novas normas regulatórias ou inspeções relacionadas à lavagem de dinheiro. No Brasil, 62% das empresas passaram por alguma ação ou inspeção nos últimos 24 meses, 34% a mais do que em 2016. O empenho na fiscalização está relacionado com os recursos existentes nos órgãos fiscalizadores. A recente Lei Anticorrupção brasileira também colabora para isso.
O que se tem percebido também, nos últimos anos, é um maior preparo dos profissionais que investigam crimes econômicos e o emprego massivo da tecnologia para esse fim. Isso pode ser um fator positivo em um momento em crescente dependência de dados e de grande interconectividade.
É natural que as empresas passem a direcionar cada vez mais seus investimentos à prevenção de fraudes, incorporando medidas na estrutura da primeira linha de defesa, em que o CEO e a alta administração são responsáveis pela gestão dos riscos e prestam contas ao conselho. Muitas empresas fortaleceram seus controles internos e ampliaram programas de denúncias. A pesquisa revela que a maior parte das organizações mantém as lideranças cientes dos crimes mais graves para os negócios.
Para fortalecer o ambiente de controles internos, algumas ações devem ser realizadas. O conselho de administração e os executivos precisam dar o tom ("tone at the top"), e as organizações devem fortalecer a cultura organizacional quanto a gestão de riscos, ética e compliance, com a conscientização dos colaboradores e aumento do incentivo à denúncia de práticas inapropriadas.
Também é fundamental que as organizações invistam nas pessoas, e não somente em tecnologia, com o objetivo de gerenciar o triângulo da fraude: incentivo/pressão; oportunidade e racionalização. As três linhas de defesa devem estar adequadas, com profissionais capacitados, tecnologias alternativas e disruptivas. Por último, a administração precisa realizar um trabalho detalhado para a identificação dos riscos, sem deixar de lado missão, visão e valores da organização.
Sócio da PwC Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia