Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Conciliação

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 12/03 às 17h27min

TRF-4 adota videoconferência em 2º grau

Distância não é empecilho para se chegar a um acordo no segundo grau da Justiça do Trabalho gaúcha. Isso porque, recentemente, o Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc) da segunda instância do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4) realizou suas primeiras audiências por meio de videoconferência, utilizando a ferramenta Hangout, do Google.
A primeira videoconferência conectou Caxias do Sul a Porto Alegre, e terminou com um acordo de R$ 22 mil entre uma empresa e um ex-empregado, valores relacionados principalmente a verbas rescisórias. "Gostei da experiência. Me senti como se estivesse na sala de audiência. Precisei apenas instalar uma webcam no computador e tudo funcionou perfeitamente. Conseguimos firmar o acordo e encerrar o processo", comentou a advogada Rosilene Bonatto, envolvida no caso. A advogada, que participou da audiência diretamente do seu escritório, em Caxias do Sul, disse, ainda, que vai utilizar o serviço em outros processos que apresentarem possibilidade de conciliação no segundo grau.
O segundo caso que se utilizou da ferramenta foi em um acordo de R$ 540 mil. A 100 quilômetros de distância, em Osório, a advogada Ana Carolina Malagó Fernandez Cabrera interagiu com os demais presentes na audiência via webcam. "Achei excelente. Tenho um bebê pequeno e seria impossível me deslocar hoje a Porto Alegre", afirmou.
Coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec-JT), ao qual estão vinculados os Cejuscs, o desembargador Ricardo Martins Costa comemorou o êxito na utilização da ferramenta nessas primeiras audiências. O magistrado lembra que, no segundo grau, há muitos processos envolvendo empresas com sede em Porto Alegre e reclamantes e advogados que moram em cidades do Interior. "A videoconferência resolve a questão logística, viabilizando a realização, pelo Cejusc, das audiências que apresentam essas peculiaridades", explicou.
Segundo o desembargador, a videoconferência não se restringirá ao Segundo Grau. O objetivo é implantar a ferramenta no Cejusc de primeira instância de Porto Alegre, beneficiando advogados e partes da Região Metropolitana, bem como nos centros de conciliação que serão instalados nos Foros Trabalhistas de Caxias do Sul, Passo Fundo, Gravataí e Santa Maria.
Para solicitar uma audiência no Cejusc do Segundo Grau, seja presencial ou por videoconferência, as partes devem contatar diretamente a unidade pelo telefone (51) 3255-2354, ou por meio do e-mail cejusc.2grau@trt4.jus.br. O centro fica na sala 308 do TRT-4, na avenida Praia de Belas, 1.100, bairro Praia de Belas, em Porto Alegre.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia