Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 14/02/2018. Alterada em 13/02 às 22h33min

Grupos pró-renovação política devem lançar cerca de 500 candidatos este ano

Movimentos em busca de renovação política, que pipocaram nos últimos meses, preparam o lançamento de ao menos 500 candidatos para as eleições de outubro, por diferentes partidos. A estimativa, feita a partir de números fornecidos pelas organizações, inclui principalmente postulantes à Câmara dos Deputados e às Assembleias Legislativas. Mas também há quem mire Senado e governos estaduais.
O pelotão é puxado pela Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), que planeja apresentar 200 candidatos e eleger ao menos metade. A entidade é considerada uma espécie de "embrião" do Agora!, do Acredito e do Brasil 21. Fundadores desses grupos já participaram da rede, criada pelo empresário Guilherme Leal, que foi vice de Marina Silva em 2010.
O RenovaBR (que dá bolsas e cursos para quem quiser se candidatar) já iniciou uma turma com 100 pessoas e vai selecionar mais 50. Não s ão obrigadas a disputar a eleição, mas a maioria indica querer. Integrantes de outras organizações, como Acredito, Brasil 21, Frente pela Renovação e Nós, também avaliam se tentarão a sorte no próximo pleito. Antes, muitos dos que miram as urnas precisarão se filiar a partidos, até 7 de abril.
Com 300 inscritos no processo que vai selecionar nomes a serem apoiados, a Frente pela Renovação (ligada ao Vem pra Rua) evita estimativas de sucesso enquanto não concluir sua peneira.
"O cenário é positivo para os movimentos, mas com muitos desafios", diz Miguel Nicacio, cientista político e porta-voz da frente. "Há um anseio por candidatos honestos e que representem os eleitores. Só que competimos com quem tem a seu lado um fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão, a banda podre dos partidos."
Na eleição de 2014, houve 25 mil candidaturas no total. O Acredito, que pretende ter pelo menos um candidato a deputado federal e três a deputado estadual nos 12 estados onde já tem representação, evita estabelecer meta para o número de eleitos. O grupo, diz José Frederico Lyra Netto, um de seus fundadores, se importa mais em marcar posição na disputa eleitoral, mostrando "que é possível fazer política transparente e honesta, com base em ideias, e não em troca de favores".
Hoje identificado como um dos principais indutores da chamada renovação política, por ter o apresentador Luciano Huck como membro e garoto-propaganda, o Agora! adotou como princípio não ser um lançador de candidaturas.  Pelo menos 15 participantes estariam dispostos a concorrer a vagas no Legislativo - oito deles entraram no RenovaBR.
Com meta modesta, o Nós - que apresentará 10 candidaturas e espera que duas sejam bem-sucedidas - diz se basear nos resultados de iniciativas semelhantes, como a Bancada Ativista, em São Paulo, e Somos Muitas, em Belo Horizonte. Em 2016, os coletivos elegeram vereadoras nas duas capitais pelo PSOL. Tentando registro como partido, a Frente Favela Brasil prevê alcançar 57 candidatos. O MBL lançará cerca de 20 candidatos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia