Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Eleições 2018

09/02/2018 - 15h11min. Alterada em 09/02 às 15h11min

FHC confirma proximidade com Huck, mas reafirma apoio a Alckmin

'Ele (Huck) é uma pessoa bem intencionada, mas eu vou seguir a linha do meu partido (PSDB)', disse FHC

'Ele (Huck) é uma pessoa bem intencionada, mas eu vou seguir a linha do meu partido (PSDB)', disse FHC


ANDREW BURTON/AFP/ARQUIVO/JC
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comentou nesta sexta-feira (9) a proximidade dele com apresentador de TV Luciano Huck, cogitado como pré-candidato à Presidência da República. Em entrevista à Rádio Guaíba, FHC confirmou que jantou com Huck, na noite da quinta-feira (8), mas reafirmou que vai apoiar o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), mesmo que o comunicador tenha boas ideias e empatia da população.
"Eu vi nos jornais que ele esteve comigo, ontem, e de fato ele esteve e jantou comigo. Ele de vez em quando janta comigo, eu vou na casa dele, o padrasto dele é meu amigo, a mãe dele é minha amiga, nós somos amigos de família e eu converso com Luciano. Eu não sei que decisão ele vai tomar. Agora, eu tenho partido, eu sou do PSDB, que terá o seu candidato. Então, uma coisa não implica na outra. Eu acho que ele é uma pessoa bem intencionada que tem contato com o povo e pode trazer algumas ideias para o País. Mas, eu vou seguir a linha do meu partido", afirmou.
Segundo FHC, o comunicador ainda não bateu o martelo em torno de uma possível candidatura. "Ele está considerando a possibilidade, mas ele trabalha na Globo, tem um contrato e tem que pesar essas coisas todas. Ele tem que ver por qual seria o partido e como vai ser. Que eu saiba, não há uma decisão por parte dele e não é uma decisão fácil. É uma decisão que tem que ser dele. Eu não vou imaginar que eu possa influir, pois ele sabe a minha posição", disse.
No rastro dos elogios do ex-presidente ao empresário, alas do PSDB têm externado desgosto com atual situação. "Não é só com o Luciano Huck, eu falo com muita gente. Por exemplo, eu recebi recentemente o governador do Espírito Santo, que é meu amigo e é do PMDB. Estive com Rodrigo Maia e por aí vai. Eu acho que a democracia exige que você tenha uma relação aberta com os outros. Jantei com Fernando Haddad, que foi prefeito de São Paulo e é do PT, então quer dizer que estou apoiando Haddad? Não, quer dizer que somos civilizados e trocamos ideias a respeito do País", afirmou.
FHC reforçou que o governador de São Paulo será o nome defendido durante a corrida eleitoral. "Quando Geraldo Alckmin foi designado para ser presidente do PSDB, eu apoiei. Eu sabia e não sou uma pessoa ingênua, que isso seria uma pré-condição para ele ser candidato. Então, eu apoiei com consciência isso. Claro que eu apoio Geraldo", afirmou.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia