Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Eleições 2018

Alterada em 08/02 às 16h51min

Tenho prazo até 7 de abril para me decidir, diz Meirelles sobre candidatura

Acompanhado de sua mulher, Eva Meirelles, em evento de abertura das atividades do "Conexão Empresarial", espaço para relacionamentos do Grupo VB Comunicação de Nova Lima, em Minas Gerais, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se esquivou de responder todas as perguntas relacionadas a uma eventual candidatura dele à Presidência da República.
"Minha mulher tem acompanhado tudo isso e sabe que estou focado", disse ao reafirmar que seu compromisso é, agora, com o Ministério da Fazenda e com seu trabalho de recolocar a economia brasileira nos trilhos. "Penso em executar da melhor maneira a minha função de ministro. Tenho uma atitude e postura de cumprir minhas funções", afirmou, ponderando que muitas autoridades que estavam em um determinado cargo público e tentaram outros postos acabaram tendo problemas porque não atingiram o posto almejado e executaram mal o cargo onde estavam.
Meirelles lembrou de 2010, quando teve seu nome indicado para ser o candidato a vice-presidente na chapa que seria encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a reeleição. À época, ele era o presidente do Banco Central e só externou a sua decisão de ficar no BC no dia anterior ao término do prazo para oficialização de candidaturas. "Dito isso, eu tenho um prazo até 7 de abril para me decidir", concluiu.
Perguntado sobre se a aprovação da reforma da Previdência pesaria para sua decisão de postular a candidatura à Presidência da República, Meirelles disse que não e acrescentou que a reforma previdenciária não é um projeto seu, pessoal, mas um projeto do País. Sobre se pensa em deixar o PSD para ser candidato, já que o partido tende a apoiar a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDP-SP), Meirelles foi taxativo: "Como não sei se sou candidato, não estou preocupado com a questão de partidos".
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia