Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Eleições 2018

Alterada em 08/02 às 14h34min

Doria defende coalizão de PSDB, PMDB, DEM, PP, e PSD em São Paulo e no Brasil

'Se pudermos estar juntos, melhor', disse Doria após encontro com o presidente Michel Temer

'Se pudermos estar juntos, melhor', disse Doria após encontro com o presidente Michel Temer


FREDY VIEIRA/JC
O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), deixou nesta quinta-feira (8) o escritório do presidente da República, Michel Temer (PMDB), na zona sul da capital paulista, após uma conversa de cerca de 40 minutos. Na saída, o tucano disse ter feito apenas uma visita política mas aos jornalistas voltou a defender a formação de uma coalizão do PSDB, PMDB, DEM, PP, e PSD para a eleição desse ano, tanto em nível federal como estadual.
"Tenho sempre procurado defender que a coalizão PSDB, PMDB, DEM, PP, e PSD, entre outros bons partidos, pode ajudar o Brasil a encontrar um bom caminho na sucessão presidencial e também em São Paulo", disse.
Doria, que se movimenta para assegurar sua candidatura ao governo do estado, negou ter discutido esse assunto com o peemedebista ou ainda o apoio da legenda à sua chapa, mas lembrou que São Paulo tem 32 milhões de eleitores e que é capaz de decidir uma eleição. "Se pudermos estar juntos, melhor", resumiu o prefeito de São Paulo.
Doria acrescentou ainda ser possível "acomodar" o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes pelo PMDB, Paulo Skaf, dentro desse plano. O prefeito defendeu ainda a necessidade da reforma da Previdência e disse estar "confiante" de que ela possa ser aprovada.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia