Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Operação Lava Jato

08/02/2018 - 13h36min. Alterada em 08/02 às 13h37min

Defesa de Lula se reúne com Fachin para explicar pontos do habeas corpus

Ministro Edson Fachin não deu prazo para se manifestar sobre a matéria

Ministro Edson Fachin não deu prazo para se manifestar sobre a matéria


CARLOS MOURA/SCO/STF/JC
Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniram na manhã desta quinta-feira (8) no Supremo Tribunal Federal (STF) com o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte.
O objetivo do encontro, do qual participou também o ex-presidente do Corte, Sepúlveda Pertence, recém-integrado à equipe de defesa, foi para explicar os pontos do habeas corpus protocolado no STF para evitar a prisão do petista após esgotados os recursos do ex-presidente no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso do tríplex - no qual Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão no processo do imóvel localizado no Guarujá (SP).
De acordo com Cristiano Zanin, um dos advogados do petista, o próximo passo da defesa será aguardar a decisão de Fachin, que não deu prazo para se manifestar. O advogado ainda elogiou a entrada do ex-presidente do STF Sepúlveda Pertence, na equipe de defensores. "É um grande nome do Direito que com certeza vai contribuir com a defesa", disse.
Zanin afirmou que o ex-presidente está tranquilo, mas indignado com sua condenação pelo TRF-4."O presidente está sereno, mas com a indignação de uma pessoa que foi condenada sem ter tido cometido crime", declarou o advogado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia