Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Reforma Previdência

Alterada em 07/02 às 20h35min

Rodrigo Maia diz que governo ainda não tem 308 votos para a Previdência

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na noite desta quarta-feira (7) que o governo continua a não ter os 308 novos necessários para a aprovação da reforma da Previdência. A contagem indica que há pouco mais de 250 parlamentares dispostos a aprovar a medida, disse ele após fazer apresentação em evento fechado do BTG Pactual.
"Hoje infelizmente ainda não temos os 308 votos", declarou Maia, destacando que a estratégia vai ser construir a maioria na Câmara para conseguir chegar ao número necessários. "Uma votação sinalizando que vai perder, há a chance de ter 100 votos ou nem ter quórum", afirmou ao ser perguntado se o governo vai insistir com a votação da reforma mesmo sabendo que não tem os votos necessários.
Sobre a nova mudança do texto da reforma, que reduziu o tempo de contribuição de 25 anos para 15, entre outras medidas, Maia ressaltou que o importante é com este texto "dialogar com outras forças políticas que não estão no debate", como os prefeitos e governadores.
O deputado ressaltou que os dirigentes municipais e estaduais têm uma agenda no Congresso de interesse deles e a Previdência é um dos pontos que interessam dentro das conversas de reorganização fiscal destas entidades da federação. "Vamos tentar com prefeitos e governadores para ver se encontramos uma agenda em comum", afirmou o presidente da Câmara.
"Temos consolidados mais de 250 votos e precisamos agregar outras bases e a base de prefeitos e governadores tem muita força com os deputados." Maia ressaltou que no ano passado o déficit previdenciário dos Estados "explodiu", o que fez os governadores reduzirem investimentos em outros itens, como segurança e educação, para cobrir o rombo da Previdência.
O parlamentar citou, entre os exemplos, o caso de Minas Gerais, que registrou déficit previdenciário de R$ 16 bilhões e o do Rio, que bateu em R$ 12 bilhões. "Essa sangria fiscal de todos os entes da federação precisa de um debate racional." Maia reforçou que o texto da Previdência será enviado para a votação no próximo dia 20. "É uma votação que vai ter muito debate. Vamos dar espaço para a oposição debater de forma transparente", declarou o presidente da Câmara, afirmando ser defensor da igualdade da previdência pública com a privada. "Essa reforma trata dessa igualdade. Essa é uma demanda da sociedade."
A ideia de procurar os governadores para conseguir apoio dos deputados foi de Maia, disse ele a jornalistas. "Eu fui procurado pelos governadores pedindo para pautar projetos que garantam receitas para os governos. O Congresso não tem mais condição de todo ano garantir receitas para prefeitos e governadores sem um debate sério sobre a questão da despesa."
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia