Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 06/02/2018. Alterada em 09/02 às 16h39min

As mentiras do déficit da Previdência

Guiomar Vidor
O governo Michel Temer (PMDB) intensifica campanha sórdida e enganosa, que já custou mais de R$ 120 milhões aos cofres públicos, para tentar passar a reforma da Previdência "a toque de caixa". Como cartada final, Temer agora se coloca à frente do processo, participando de teatros de terror, ensaiados com apresentadores de TV, como Silvio Santos, Ratinho e outros. Tudo isso para meter medo nos futuros e atuais aposentados, condicionando o pagamento das futuras aposentadorias à reforma, e, ainda, intimidando deputados que não estão dispostos a cometer mais esse crime contra a sociedade.
A CPI do Senado, cujo relatório foi aprovado por unanimidade, provou que não existe déficit. Segundo a Unafisco (Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal), em 2015, o investimento na Previdência foi de R$ 631,1 bilhões, enquanto as receitas da seguridade foram de R$ 707,1 bilhões. Saldo: R$ 24 bilhões. Porém o governo desvia os recursos para outras áreas, por meio da DRU (Desregulamentação das Receitas da União), e não cumpre o que diz a Constituição a respeito do sistema previdenciário.
Soma-se a isso o fato de que, pela MP 795, aprovada no Congresso, o governo Temer abre mão de receber R$ 980 bi, em 23 anos, do setor do petróleo e gás. Ainda deixa de cobrar de empresas e bancos mais de R$ 115 bilhões/ano em fraudes e sonegações. Se precisa economizar, por que abre mão de receitas tão significativas?
O governo diz que vai combater privilégios com a reforma da Previdência. Outra mentira. Militares, deputados e senadores não foram incluídos na reforma. Só o trabalhador comum.
Não podemos aceitar a reforma sendo imposta com base na compra de votos no Congresso e sem debate e transparência. Podemos, sim, debater ajustes, mas para isso é preciso abrir a "caixa-preta" dos recursos da Previdência. Vamos resistir! E se botar para votar, o Brasil vai parar.
Presidente da Federação dos Comerciários do Rio Grande do Sul (Fecosul) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RS)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Paulo Oliveira 07/02/2018 17h05min
Uma pena que essa informação não seja amplamente divulgada.nA mídia (grande maioria) insiste em propagar a falsa informação do déficit.nSerá que elas serão beneficiadas indiretamente com essa reforma da previdência?nnNão sei mais em quem o povo pode confiar.nn