Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 05/02/2018. Alterada em 04/02 às 21h31min

Todos os povos serão libertos

Nadir Silveira Dias
E não é porque eu queira, ou porque eu não queira, que todos os povos serão libertos.
Todos os povos serão libertos por uma exclusiva e única questão de ordem: a ordem existencial. A ordem existencial foi criada por Deus e somente Ele pode prender ou libertar. E nunca prendeu. Deus somente liberta. E como ele não criou qualquer povo na condição de escravo, recluso ou tutelado, outra conclusão não há: ao cabo e ao final, todos os povos serão libertos.
E serão libertos pelo próprio trabalho que desenvolvam e demonstrem ao longo da sua trajetória durante o tempo sob análise. Leia-se como tal a sua capacidade de se autogerir, como tantos e tantos têm demonstrado ao longo da história e, assim mesmo, insiste o Estado Unitário Central em impedir, por tais e tais causas que aponta, mas que, sejam quais forem, servem apenas e exatamente para manter atrelado a si e prestando-lhe mantença e recursos para o exercício do Poder que não querem mais sustentar.
Tudo, absolutamente tudo tem limites. E quem não quiser ver, ou insistir nesse ato de submeter, toma o rumo que tomaram tantas outras iniciativas desse teor que bem podem ter causado o desaparecimento de inúmeras civilizações de escol. Pois, sabidamente, as civilizações desaparecidas deixaram cada qual um legado que, ao que eu creio, nem sempre é lembrado, é pouco estudado, ou que sequer é conhecido da população. Mas algo as fez sumir.
E se Deus não fez qualquer civilização para sumir, mas, ao contrário, para crescer e se aperfeiçoar, como entender o seu desaparecimento?
Teria sido índice de natalidade inferior ao mínimo necessário para manter a própria etnia ou submetimento e mais submetimento dos semelhantes? Sim, pois se um povo cuida apenas de submeter o semelhante, não há como ter tempo pleno para cuidar da própria manutenção da espécie.
Todos os povos serão libertos!
Jurista, escritor e jornalista
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia