Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 10 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Estados Unidos

10/02/2018 - 15h10min. Alterada em 10/02 às 15h15min

Trump explica decisão de não divulgar memorando dos Democratas

O mandatário norte-americano ainda reclamou de supostas falsas acusações

O mandatário norte-americano ainda reclamou de supostas falsas acusações


WIN MCNAMEE/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, explicou neste sábado (10) sua decisão de não divulgar um memorando elaborado pelo Partido Democrata sobre abuso de vigilância contra um ex-sócio de Trump. "Os Democratas enviaram um memorando de resposta muito longo e politizado, sabendo que o documento teria de ser amplamente reescrito, em que acusam a Casa Branca de falta de transparência. Mandei eles refazerem o memorando e encaminhar no formato adequado", escreveu Trump em sua conta oficial no Twitter.
O mandatário norte-americano ainda reclamou de supostas falsas acusações. "As vidas das pessoas estão sendo destruídas por meras alegações. Algumas são verdadeiras e outras falsas. Algumas são antigas e outras novas. Não há recuperação para alguém acusado injustamente - a vida e a carreira são perdidas. Não existe mais o devido processo legal?", questionou.
A declaração de Trump ocorre após a Casa Branca negar ontem, citando "preocupações significativas" com a segurança nacional, um pedido dos Democratas para que fosse divulgada, da mesma forma que foi divulgado o memorando dos Republicanos, a resposta às alegações do Partido Republicano. (Caio Rinaldi - caio.rinaldi@estadao.com)
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia