Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 09/02/2018. Alterada em 08/02 às 22h31min

Sem negociação, Venezuela marca pleito para abril

A maior parte dos opositores está impedida de concorrer, como Henrique Capriles

A maior parte dos opositores está impedida de concorrer, como Henrique Capriles


RAUL ARBOLEDA/AFP/JC
A presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Tibisay Lucena, anunciou que as eleições presidenciais serão realizadas em 22 de abril. A divulgação da data ocorreu horas depois do fracasso da negociação do regime de Nicolás Maduro com a oposição. O pleito, que era previsto para ocorrer no segundo semestre, não será reconhecido pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por países da América Latina com governos críticos ao chavismo devido às condições de disputa.
A data era a mesma que havia sido escolhida em consenso entre os representantes do regime e da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) nas negociações na República Dominicana - o governo queria realizá-la em 8 de março, e a oposição, em 10 de junho. Também condiz com o determinado pelo decreto da Assembleia Constituinte, convocada pelo presidente e dominada por seus aliados, de que os venezuelanos iriam às urnas até o final de abril. Desde então, o regime definiu a candidatura à reeleição de Maduro e começou a campanha eleitoral mesmo sem convocação oficial pelo CNE. Já a participação da oposição, que condenou a decisão da Casa chavista, é incerta.
Com o fracasso das negociações, a MUD não conseguiu ver atendidas suas reivindicações pela troca da diretoria do órgão eleitoral (quatro de seus cinco membros são militantes chavistas), a permissão de observação internacional independente e a reversão da cassação de dirigentes e partidos políticos. A maior parte de seus líderes está presa, inelegível ou sujeita a processo pela Assembleia Constituinte por ter convocado manifestações contra Maduro entre abril e julho de 2017. Entre eles, o dirigente preso Leopoldo López, o ex-presidenciável Henrique Capriles e o deputado Julio Borges.
Os antichavistas também não poderão concorrer como coalizão depois que a Justiça impediu a postulação da MUD como frente. Além disso, o CNE cassou os registros de duas das três maiores siglas opositoras - a Primeiro Justiça (centro-direita) e a Vontade Popular (direita). Diante deste cenário, parte da oposição avalia não concorrer, e outra, a se candidatar conforme as regras do regime. A coalizão está dividida desde a instalação da Constituinte, em agosto, o que se aprofundou após as vitórias chavistas nas eleições estaduais, em outubro, e municipais, em dezembro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia