Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Alemanha

Notícia da edição impressa de 09/02/2018. Alterada em 08/02 às 22h30min

Partido aliado de Angela Merkel dá aval para governo de coalizão

Um partido menor no provável governo da Alemanha chancelou o acordo para formar uma coalizão no país. Ainda é preciso, porém, que duas outras siglas maiores aprovem a iniciativa. A decisão já foi tomada pela União Social Cristã (CSU, na sigla em alemão), aliado na Baviera da chanceler Angela Merkel.
O acordo para encerrar o impasse político de quatro meses, fechado na quarta-feira, levaria a União Democrata Cristã (CDU), sigla conservadora de Merkel, e a CSU a manter sua parceria no poder dos últimos quatro anos com o Partido Social-Democrata (SPD), de centro-esquerda. O líder da CSU, Horst Seehofer, deve se tornar o ministro do Interior, um grande prêmio para a sigla que deseja controlar a entrada de imigrantes.
A CDU, de Merkel, realiza um congresso dia 26 de fevereiro para referendar o pacto. É improvável que ele seja recusado, mesmo que haja descontentamento com a perda do comando do Ministério do Interior e, ainda, do Ministério das Finanças - essa última pasta deve ficar com os social-democratas.
O SPD fará uma votação entre seus 463.723 membros sobre a coalizão. O resultado deve sair em 4 de março e é imprevisível, já que muitos na sigla mostram-se temerosos em entrar em um novo governo após um desastroso resultado eleitoral.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia