Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Alemanha

07/02/2018 - 09h34min. Alterada em 09/02 às 18h27min

Merkel fecha acordo de coalizão com Partido Social-Democrata na Alemanha

Caso não realizasse o acordo, a presidente precisaria enfrentar uma nova eleição ou comandar um governo minoritário

Caso não realizasse o acordo, a presidente precisaria enfrentar uma nova eleição ou comandar um governo minoritário


JOHN MACDOUGALL/AFP/JC
Os conservadores ligados à chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chegaram nesta quarta-feira (7) a um acordo para formar uma nova coalizão de governo com o principal partido de centro-esquerda do país, o Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), após uma sessão final de negociações que se arrastou por 24 horas. A informação foi divulgada pela agência de notícias local DPA e confirmada por outros meios.
A partir de fontes não identificadas do partido, a agência reportou que a União Democrata Cristã (CDU), de Merkel, seu partido aliado na Baviera, a União Social Cristã (CSU) e o SPD acertaram os detalhes finais do acordo, após conseguirem decidir quais ministérios devem caber a quem. Segundo a DPA, os social-democratas comandarão as pastas das Relações Exteriores, do Trabalho e das Finanças. O Ministério das Finanças era detido pela CDU nos últimos oito anos.
O acordo deve ainda ser referendado pelos mais de 460 mil membros do SPD, em um processo que deve levar algumas semanas. Muitos membros da sigla mostram-se céticos, após o partido registrar um desempenho ruim na última eleição, que se seguiu a quatro anos de uma grande coalizão entre o SPD e os conservadores de Merkel.
Caso não se chegasse a um acordo ou ainda se os membros do SPD rejeitarem a ideia, isso deixaria Merkel com duas opções: encabeçar um governo minoritário ou enfrentar uma nova eleição.
A tentativa de Merkel de formar um governo com dois partidos menores fracassou em novembro. O líder do SPD, Martin Schulz, que inicialmente descartou renovar a coalizão com Merkel, depois mudou de ideia e passou a negociar com os conservadores. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia