Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Estados Unidos

05/02/2018 - 15h08min. Alterada em 05/02 às 15h09min

Trump reitera que não irá aceitar acordo de imigração sem garantir muro

Em manifestação no Twitter, Trump afirmou ainda que acordo depende de 'segurança forte na fronteira'

Em manifestação no Twitter, Trump afirmou ainda que acordo depende de 'segurança forte na fronteira'


WIN MCNAMEE/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou que só irá aceitar qualquer acordo sobre o programa de proteção à imigrantes, o DACA, caso seja garantida a construção de um muro na fronteira do país com o México.
Em mensagem no Twitter nesta segunda-feira (5), Trump afirmou que "qualquer acordo que não inclua uma segurança FORTE na fronteira e o desesperadamente necessário MURO é uma total perda de tempo. O dia 5 de março está chegando logo e os Democratas parecem não se importar com o Daca. Façam um acordo!"
No dia 5 de março é a data de expiração do programa do DACA, e com isso, milhares de jovens imigrantes que entraram nos Estados Unidos ilegalmente ainda crianças, podem sofrer perigo de deportação.
Nesta segunda, os senadores John McCain, republicano do Arizona, e Christopher Coon, democrata do Delaware, devem anunciar um projeto de lei de imigração que não inclui financiamento para um muro na fronteira, mas prevê um caminho para a legalização dos chamados "Dreamers", contemplados pelo DACA, em um número maior do que o presidente Trump teria concordado em aceitar.
O documento também inclui um pedido de estudo para determinar se são necessários medidas de segurança adicionais na fronteira.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia