Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Fiscalização

09/02/2018 - 15h28min. Alterada em 09/02 às 16h41min

MP apreende uma tonelada de alimentos e interdita estabelecimentos no Litoral Norte do RS

Alimentos impróprios para o consumo apreendidos na operação foram inutilizados

Alimentos impróprios para o consumo apreendidos na operação foram inutilizados


MPRS/DIVULGAÇÃO/JC
Cerca de uma tonelada de alimentos apreendida, duas pessoas presas e três estabelecimentos comerciais interditados. Esse foi o saldo da ação de fiscalização deflagrada nesta quinta-feira (8) pela Força-Tarefa do Programa Segurança Alimentar do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) nos municípios de Capão da Canoa e Xangri-lá, no Litoral Norte gaúcho.
Ao todo, seis locais foram fiscalizados. Em Xangri-lá, a JP Boutique de Carne acabou interditada. Já em Capão da Canoa, o Super da Praia sofreu interdição parcial, enquanto o Mercado Lessa, além de interditado, teve o proprietário e sua filha presos em flagrante pela prática de delito contra as relações de consumo. Em todos os casos, os alimentos impróprios para o consumo apreendidos foram inutilizados.
De acordo com o MP, foram encontrados alimentos com o prazo de validade vencido há três anos. Em alguns casos, os produtos também estavam fora da temperatura adequada, sem indicação de procedência e com embalagens estragadas. Também foram observados diversos problemas de infraestrutura e falta de higiene durante a vistoria.
Além do grupo de atuação especial de Combate ao Crime Organizado, participaram da ação dois promotores de Justiça e representantes da Delegacia do Consumidor da Polícia Civil, das Vigilâncias Sanitárias municipais e estadual, Secretaria Estadual de Agricultura, Patram e Procon/RS.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/02/09/206x137/1_cxcxcsddsrere-1736219.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a7dc5b8eadda', 'cd_midia':1736219, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/02/09/cxcxcsddsrere-1736219.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': '', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Middle'}

Pai e filha foram presos em flagrante por delito contra as relações de consumo. Foto MP-RS/Divulgação/JC

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia