Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado financeiro

13/02/2018 - 10h57min. Alterada em 13/02 às 10h59min

Petróleo opera com viés negativo após agência de energia alertar para crescimento da oferta

Os preços do petróleo oscilam próximo da estabilidade na manhã desta terça-feira (13), pressionados por dados negativos da Agência Internacional de Energia (AIE), cujo relatório apontou para um crescimento maior da produção em países fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Às 9h52min (de Brasília), o contrato do Brent para abril caía 0,30%, a US$ 62,42 por barril, na Intercontinental Exchange (ICE) enquanto o WTI para março cedia 0,67%, a US$ 58,91 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).
Segundo o documento da AIE, a produção dos países de fora do cartel, especialmente nos Estados Unidos, pode fazer a oferta superar a demanda este ano, pesando sobre as cotações da commodity. A agência afirmou que a situação é "remanescente da primeira onda de crescimento do xisto norte-americano", que em 2014 precipitou o primeiro tombo dos preços do combustível.
"O risco vem da oferta do xisto", afirmou Giovanni Staunovo, analista de commodities da UBS Wealth Management. "Existe uma boa razão para a fraqueza dos preços, uma vez que o xisto está crescendo rapidamente", disse o Commerzbank em nota. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia