Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 12/02 às 09h47min

Petróleo opera em alta em Nova Iorque e Londres, após forte queda da semana passada

O petróleo opera com ganhos nesta segunda-feira (12), em dia de avanço nos mercados globais, após uma semana de volatilidade e fraqueza da commodity.
O petróleo WTI para março subia 2,06%, a US$ 60,42 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para abril avançava 1,74%, a US$ 63,88 o barril, na ICE, em Londres. Na semana passada, o contrato do WTI caiu 9,54% e o do Brent recuou 8,30%.
A queda porcentual da semana passada foi a mais forte desde janeiro de 2016. O mercado foi atingido por uma série de fatores negativos. Além da volatilidade nas bolsas, houve aumento na produção de petróleo dos EUA e a expectativa de que ela possa avançar ainda mais. A valorização do dólar ainda deixou o dólar mais caro para os detentores de outras divisas e uma onda de venda de ações reduziu o apetite por risco em geral.
Nesta segunda-feira, as bolsas da Europa e os futuros de Nova Iorque exibem sinal positivo, após uma semana péssima. O dólar, por sua vez, recua ante uma cesta de moedas fortes, o que aumenta o apetite dos investidores nas commodities, denominadas nessa moeda.
"Uma combinação de fortalecimento dos mercados de ações e do dólar mais fraco ajuda a recuperação do mercado de petróleo", afirmou Tamas Varga, analista de petróleo da corretora PVM. Analistas, porém, advertem que há sinais negativos para o petróleo, especialmente o aumento na produção dos EUA. O número de poços e plataformas em atividade no país subiu 26 na última semana, a 791, segundo a Baker Hughes.
Analistas do Commerzbank destacaram em nota que a alta na produção dos EUA está no radar. Além disso, ganhos de produtividade significam que cada poço e plataforma pode gerar mais petróleo que o registrado três anos antes, afirmam os economistas do banco.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia